Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Ronaldo diz que acusação de violação é "fake news"

Ronaldo diz que acusação de violação é "fake news"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Cristiano Ronaldo é a última estrela a ver o nome envolvido no fenómeno #MeToo, a vaga de denúncias e revelações de abusos sexuais cometidas por figuras mediáticas e poderosas ao longo das últimas décadas e que atingiu o produtor cinematográfico Harvey Weinstein e os atores Kevin Spacey e Bill Cosby, entre outros.

O futebolista português é acusado de ter violado uma mulher americana durante umas férias em Las Vegas, em 2009, numa in. A polícia de Las Vegas anunciou a reabertura da investigação da denúncia de Kathryn Mayorga, que há nove anos já tinha apresentado uma primeira queixa e sido submetida a um exame médico, sem revelar o autor ou o local da violação.

Cristiano Ronaldo já reagiu a esta controvérsia e num vídeo em direto na rede social Instagram considerou a acusação como "fake news". "É falso. Querem promover-se à custa do meu nome. É normal. Querem ser famosos usando meu nome. Mas são ossos do ofício e sou um homem feliz", afirmou.

Os advogados de Ronaldo já tinham alegado anteriormente que o sexo com a então aspirante a modelo foi consensual.

A queixosa alega que naquela data foi violada pelo agora jogador da Juventus num quarto de hotel em Las Vegas, ao qual terá subido, junto com outras pessoas, para apreciar a vista e a banheira de hidromassagem.

A suposta vítima relatou que Cristiano Ronaldo a terá interpelado enquanto trocava de roupa e a terá forçado a sexo anal – no fim, conta, o português ter-se-á desculpado e dito que costuma ser um cavalheiro. Ronaldo e os seus representantes terão então, alegadamente, persuadido Kathryn a um acordo de confidencialidade extrajudicial a troco de mais de 300 mil euros.

O caso foi divulgado pela revista alemã Der Spiegel, a 28 de setembro, na primeira vez que Kathryn Mayorga falou sobre o caso - a história já tinha sido revelada em 2017, em documentos difundidos pela plataforma digital Football Leaks.