Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Um ano de #MeToo

Um ano de #MeToo
Tamanho do texto Aa Aa

Bastou apenas um ano para a expressão "Me Too" entrar para o vocabulário global e para muitos gigantes caírem. A 5 de outubro de 2017, o New York Times publicava relatos de atrizes assediadas por Harvey Weinstein, o homem que dominou Hollywood durante anos a fio.

Do outro lado do Atlântico, em França, a jornalista Sandra Mueller lançava um apelo para denunciar abusos sexuais no local de trabalho.

E depois veio o famoso hashtag lançado no Twitter pela atriz Alyssa Milano, que deu um testemunho na primeira pessoa.

O que aconteceu a seguir foi um fenómeno global sem precedentes. Manifestações, depoimentos, iniciativas inéditas como a liderada por Cate Blanchett no Festival de Cannes, onde oito dezenas de mulheres falaram de desigualdade.

E muitas carreiras houve que não resistiram. A queda em desgraça de Kevin Spacey sucedeu-se a várias acusações de assédio a jovens colegas masculinos.

No mundo da política, começaram a cair peças estratégicas, como o ministro da Defesa britânico, Michael Fallon. Depois foi a vez do vice-primeiro-ministro Damian Green.

Até a normalmente impoluta Academia Sueca decidiu não atribuir o Nobel da Literatura face às acusações de violação envolvendo Jean-Claude Arnault, o marido de uma das suas constituintes.

O mais recente nome de dimensão mundial a ver-se enredado é português. Uma história de 2009, desenterrada pelo Der Spiegel, está a causar muitas dores de cabeça ao jogador da Juventus que vê ameaçados vários contratos publicitários.