Última hora

Última hora

Chineses dominam no Xadrez em Batumi na Geórgia

Em leitura:

Chineses dominam no Xadrez em Batumi na Geórgia

Chineses dominam no Xadrez em Batumi na Geórgia
Tamanho do texto Aa Aa

Estrelas confirmadas e novos talentos impressionaram o público, na quadragésima terceira edição das Olimpíadas de Xadrez em Batumi, na Geórgia. O evento durou doze dias.

Portugal fez-se representar nas Seleções Nacionais Absoluta e Feminina, por 5 jogadores e 5 jogadoras.

As jogadoras georgianas voltaram a destacar-se com uma medalha, depois do ouro conquistado no campeonato mundial de 2015. Para Nino Batsiashvili, cada competição internacional é um momento de intensa aprendizagem.

"É a primeira vez que Batumi organiza um evento desta dimensão. Era importante para nós jogar bem. Foi uma grande aprendizagem. Aprendemos com os jogadores dos outros países e partilhamos o nosso conhecimento. Um jogador de xadrez tem de treinar todos os dias, aperfeiçoar novas combinações e testar ideias e táticas para poder usá-las no futuro", sublinhou a jogadora georgiana Nino Batsiashvili.

China brilha e domina no xadrez

Em resumo, Batumi acolheu 185 equipas, 920 jogadores e 1837 partidas. A estrela do evento foi sem dúvida a China que ficou em primeira lugar na classificação final.

As Olimpíadas de Xadrez de Batumi foram a ocasião para filmar um documentário sobre o reencontro das quatro estrelas da equipa de xadrez feminina da União Soviética, entre 1960 e 1980 (Nona Gaprindashvili, Nana Alexandria, Maia Chiburdanidze e Nana Ioseliani).

A euronews falou com Nona Gaprindashvili, cinco vezes campeã do mundo e a primeira mulher a receber o título de mestre da Federação Internacional de Xadrez. Desde então muita coisa mudou.

"O computador mudou tudo. O público prefere estar sentado em frente ao computador e ver partidas na Internet. O computador roubou o público das competições. No passado, os torneios e as competições eram transmitidos nos cinemas e nos teatros. As salas estavam sempre cheias. As pessoas chegavam a esperar na rua em frente ao cinema, para saber o resultado das partidas", disse Nona Gaprindashvili.

Para acolher os mais de mil jogadores e convidados, Batumi preparou uma cerimónia de abertura com música dança e efeitos especiais. Para autoridades locais, a organização das Olímpiadas de Xadrez faz parte de um projeto global para captar turistas.

"A nossa ambição é transformar Batumi e Adjara em destinos turísticos ao longo das quatro estações. Para isso, temos de investir muito. Temos feito um grande esforço para criar infraestruturas e temos vindo a melhorar os nossos serviços turísticos, disse Tornike Rijvadze, presidente do governo de Adjara.

Parlamento Europeu recomenda xadrez nas escolas

A União Europeia de Xadrez defende a introdução do programa "Xadrez na Escola" nos sistemas de ensino. Uma recomendação retomada pelo Parlamento Europeu em 2012.

"O xadrez deveria tornar-se parte do sistema educativo no mundo inteiro. Queremos criar toda uma nova geração de jogadores que poderão usar as competências do xadrez noutras áreas da sua vida", sublinhou Zurab Azmaiparashvili, presidente da União Europeia do Xadrez.

As próximas Olimpíadas realizam-se na Rússia em 2020.

Mais sobre focus