Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Manifestação antiditadura em São Paulo e Bolsonaro a liderar sondagem

Manifestação antiditadura em São Paulo e Bolsonaro a liderar sondagem
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Milhares de pessoas participaram quarta-feira numa manifestação em São Paulo contra o fascismo e o temido regresso do Brasil à ditadura.

O protesto foi organizado por Guilherme Boulos, do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), derrotado no escrutínio de domingo, em que nem conseguiu um por cento dos votos, e que agora é um confesso apoiante de Fernando Haddad para a segunda volta das Presidenciais.

A manifestação coincidiu com a divulgação pelo Datafolha, a pedido da TV Globo e do Folha de São Paulo, da primeira sondagem expressamente efetuada sobre o duelo entre Jair Bolsonaro, do Partido Social Liberal (PSL), e Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT), marcado para 28 de outubro.

O candidato da direita, que muitos relacionam à extrema-direita, recolheu 58% dos votos úteis estimados pelo instituto de pesquisa contra 42% do rival da esquerda.

A margem de erro é de dois pontos para cima ou para baixo, o que deixa antever, se a chamada às urnas tivesse acontecido esta quarta-feira, de acordo com as entrevistas a 3235 eleitores em 227 municípios.

O dia ficou também marcado por uma mudança estética nacampanha de Fernando Haddad.

Facebook/fernandohaddad
A nova imagem nas redes sociais da campanha de Haddad e Manuela D'AvilaFacebook/fernandohaddad

A equipa de comunicação decidiu alterar a estratégia, retirou a imagem de Lula da Silva dos cartazes e alterou a tradicional cor vermelha do PT pelo verde e amarelo da bandeira brasileira, no que alguns analistas veem como uma tentativa de se aproximar os eleitores mais centristas e afastar-se do conceito de extrema-esquerda a que os "petistas" são associados.

Ao mesmo tempo, Haddad resolveu ainda lançar um desafio a Bolsonaro, que tem vindo a dizer-se sem condições de enfrentar um debate político com o rival devido à recuperação em curso do ataque à faca sofrido a seis de setembro durante um comício em Minas Gerais.

"Ele disse que não quer ser colocado sob stresse. Eu não vou o stressar. Vou falar com ele da forma mais calma possível. Não vou levantar a voz. Nem sequer vou olhar para ele se isso for algo que o vai preocupar. Farei tudo o que ele quiser para que ele possa expressar o que pensa e debater o país. Seja onde for, com assistência médica ou até na enfermaria se ele quiser", afirmou Haddad.

Em resumo, o candidato do PSL mantém-se favorito à sucessão de Michel Temer como presidente do Brasil, numa altura em que a campanha começa também a ficar marcada por atos de violência.

Uma pessoa afeta ao PT foi assassinada na Bahia após um atrito entre apoiantes rivais.

Haddad e Bolsonaro já se manifestaram contra os atos de violência cometidos no âmbito do processo eleitoral.