Última hora

Última hora

Eleições2018: Haddad (29%) e Bolsonaro (46%) em duelo a 28 de outubro

Em leitura:

Eleições2018: Haddad (29%) e Bolsonaro (46%) em duelo a 28 de outubro

Eleições2018: Haddad (29%) e Bolsonaro (46%) em duelo a 28 de outubro
Tamanho do texto Aa Aa

Acompanhe aqui ao minuto os desenvolvimentos nas eleições gerais do Brasil.

  • Resultados oficiais divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral, com 99,92% das urnas apuradas: Jair Bolsonaro (PSL), com 46,05%, e Fernando Haddad (PT), com 29,25%, confirmados na segunda volta a 28 de outubro;
  • Presidente do TSE diz que esta primeira volta das eleições decorreu "dentro da normalidade."

  • Jair Bolsonaro (PSL) apela aos apoiantes, através de um "Facebook Live", para não esmorecerem e pede crença, prometendo reduzir a dimensão do Estado para combater a corrupção, que relaciona ao PT, um rival com muito dinheiro, sublinhou. O candidato pede mobilização dos apoiantes até 28 de outubro;

  • Fernando Haddad (PT) agradece "liderança do presidente Lula", assume-se "honrado" pelos votos recebidos e diz ser "preciso saber aproveitar a oportunidade do segundo turno". "É preciso unir os democratas", afirma o candidata "petista."

  • Ciro Gomes (PDT) já assumiu a derrota clara e garantiu que "jamais" irá "apoiar o fascismo", deixando implícito o eventual apoio a Fernando Haddad no segundo turno, a ser decidido numa reunio do respetivo partido;

  • Geraldo Alckmin (PSDB) anuncia reunião com a respetiva equipa na terça-feira para preparar posicionamento para o segundo turno;

  • Marina Silva (REDE) promete ser oposição seja qual for o novo Presidente do Brasil e independentemente da posição que vier a assumir na segunda volta;

  • Candidato do PSOL, Guilherme Boulos, declara apoio a Fernando Haddad na segunda volta;

  • Votos brancos (2,66%), nulos (6,12%) e abstenção (20,32%) somam 29,1% e superam o resultado de Fernando Haddad, reforçando expetativa para a "finalíssima" com Bolsonaro;

  • Sufrágio entre brasileiros residentes em Portugal valeu a Jair Bolsonaro mais de 50% dos votos registados nos consulados de Faro, Lisboa e Porto, avançou a TSF;

  • Cerca de 40 mil brasileiros residentes em Portugal estavam aptos a votar nas eleições gerais do Brasil -- mais 10 mil recenseados do que em 2014, de acordo com a Embaixada do Brasil em Portugal;

  • Estimativa à boca das urnas pelo Ibope: Jair Bolsonaro (PSL), 45%; Fernando Haddad (PT), 28%; Ciro Gomes (PDT), 14%; e Geraldo Alckmin (PSDB), 4%;

  • Dilma Roussef fica em quarto e falha eleição para o senado de Minas Gerais;

  • Eduardo Bolsonaro (PSL, São Paulo) é o deputado federal mais votado da história do Brasil, com 1,75 milhões de votos;

Eleição dos 27 Governadores

  • Gladson Cameli (PP) é eleito no Acre;

  • São Paulo terá segunda volta entre João Doria (PSDB) e Marcio França (PSB);

  • Roraima terá segunda volta entre Antonio Denarium (PSL) e José Anchieta Junior (PSDB);

  • Rondônia terá segunda volta entre Expedito Junior (PSDB) e o Coronel Marcos Rocha (PSL);

  • Paulo Câmara (PSB) reeleito em Pernambuco;

  • Sergipe terá segunda volta entre Belivaldo Chagas (PSD) e Valadares Filho (PSB);

  • Pará terá segunda volta entre Helder Barbalho (MDB) e Marcio Miranda (DEM);

  • Flávio Dino (PCdoB) eleito no Maranhão;

  • Rio de Janeiro terá segunda volta entre Wilson Witzel (PSC) e Eduardo Paes (DEM);

  • Wellington Dias (PT) eleito em Piauí**;**

  • Rio Grande do Norte terá segunda volta entre Fatima Bezerra (PT) e Carlos Eduardo (PDT);

  • Minas Gerais terá segunda volta entre Romeu Zema (Novo) e Antonio Anastasia (PSDB);

  • Amazonas terá segunda volta entre Wilson Lima (PSC) e Amazonino Mendes (PDT);

  • Rui Costa (PT) é reeleito na Bahia;

  • João Azevedo (PSB) eleito em Paraíba;

  • Renan Filho (MDB) eleito em Alagoas;

  • Mauro Mendes (DEM)eleito em Mato Grosso;

  • Amapá terá segunda volta entre Waldez Góes (PDT) e Davi Alcolumbre (DEM)

  • Distrito Federal terá segunda volta entre Ibaneis Rocha (MDB) e Rodrigo Rollemberg (PSB);

  • Camilo Santana (PT) é reeleito no Ceará;

  • Santa Catarina terá segunda volta entre Gelson Merísio (PSD) e Comandante Moisés (PSL);

  • Ronaldo Caiado (DEM) eleito em Goiás;

  • Rio Grande do Sul ter uma segunda volta entre Eduardo Leite (PSDB) e José Ivo Sartori (MDB);

  • Mato Grosso do Sul terá segunda volta entre Reinaldo Azambuja (PSDB) e Juiz Odilon (PDT);
  • Ratinho Junior (PSD) eleito no Paraná;
  • Renato Casagrande (PSB) eleito no Espírito Santo;
  • Mauro Carlesse (PHS) é reeleito em Tocatins;

REUTERS/Sergio Moraes
Jornalistas seguem pela internet a declaração de Jair Bolsonaro pelas redes sociaisREUTERS/Sergio Moraes

REUTERS/Paulo Whitaker
Haddad celebra resultado com a vice Manuel DávilaREUTERS/Paulo Whitaker

REUTERS/Ueslei Marcelino
Apoiantes de Bolsonaro queimam réplica de urna eleitoralREUTERS/Ueslei Marcelino

REUTERS/Pilar Olivares
Apoiantes de Fernando Haddad celebram confirmação da segunda voltaREUTERS/Pilar Olivares

REUTERS/Adriano Machado
Apoiiante de Bolsonaro reage aos resultados em BrasíliaREUTERS/Adriano Machado

REUTERS/Nacho Doce
Opositora de Bolsonaro e apoiante do PT em FortalezaREUTERS/Nacho Doce

REUTERS/Ricardo Moraes
Festa dos apoiantes de Bolsonaro junto a um "ônibus" do Rio de JAneiroREUTERS/Ricardo Moraes

O Contexto

Cerca de 147 milhões de eleitores foram chamados às urnas para escolher o sucessor de Michel Temer, num sufrágio marcado pela ausência do favorito nas sondagens, Lula da Silva.

O ex-presidente e grande figura do Partido dos Trabalhadores (PT) foi impedido de voltar a candidatar-se ao lugar por ter sido condenado e estar a cumprir uma pena de 12 anos de prisão.

O candidato presidencial necessita de conseguir pelo menos 50% mais um voto para ser eleito logo à primeira. Se ficar nos 50% dos votos ou abaixo, haverá lugar a uma segunda volta com o segundo candidato mais votado, num duelo nas urnas já agendado para 28 de outubro.

Além do Presidente, os brasileiros elegem ainda este domingo também o vice-presidente, 513 deputados federais, 54 senadores e 27 governadores dos estados e do Distrito Federal, que inclui a capital Brasília.

São ainda eleitos os deputados estaduais, mas aqui o número depende de alguns factores.