Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Acordo de Idlib em vigor esta segunda-feira

Acordo de Idlib em vigor esta segunda-feira
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Tahrir al-Sham, um dos principais grupos jiadistas presentes em território sírio, disse no domingo que aceitava os termos de um acordo entre Moscovo e Ancara para prevenir uma eventual ofensiva da parte do exército do Governo de Bashar al-Assad na província de Idlib, noroeste do país, fronteira com a Turquia.

A posição dos rebeldes foi dada a conhecer um dia antes do prazo dado pelo exército sírio depois de, segundo explicaram, um período de consulta.

Segunda-feira, o ministro sírio dos Negócios Estrangeiros avisou os rebeldes e disse que a situação em Idlib não seria sustentável se os militantes não cumprissem com os termos do acordo definidos por russos e turcos.

Walid al-Moualem acrescentou ainda, durante uma conferência de imprensa em Damasco, que cabia à Rússia avaliar o cumprimento do acordo da parte dos rebeldes.

"Para nós Idlib é como qualquer outra província," explicou o ministro sírio dos Negócios Estrangeiros. "Uma província que deve voltar a soberania síria. E preferimos que tal aconteça de forma pacífica, através de uma reconciliação, mas, se não for o caso, existem outras opções."

Embora não tenha dito que seguiria as condições do acordo à risca, o grupo Tahrir al-Sham referiu a necessidade de garantir a segurança das populações da região, acrescentando que valorizava as iniciativas e os esforços para a proteção do território, no que poderia ser uma referência à Turquia.

No comunicado, os jiadistas referiram ainda que desconfiavam do que definiram como "o ocupante russo" e que não esqueciam a presença de "combatentes estrangeiros" que o ajudavam no terreno.

O grupo Tahrir al-Sham é uma aliança jiadista liderada pela antiga Frente al-Nusra, movimento próximo da al-Qaeda. Outro grupo rebelde presente no terreno é a Frente Nacional de Libertação, aliança próxima da Turquia e que já disse apoiar o acordo.

Uma zona desmilitarizada

O acordo define uma área desmilitarizada de entre 15 a 20 quilómetros em território controlado pelos rebeldes e que deve estar livre de armas até segunda-feira.

Prevê-se que forças turcas e russas patrulhem a área.

A Turquia fez vários esforços para convencer os rebeldes do Tahrir al-Sham a assinar o acordo, de forma a evitar uma ofensiva da parte de Damasco e do exército de Moscovo, que poderia dar origem a uma nova onda de refugiados.

Vivem cerca de três milhões de pessoas na província de Idlib, o último bastião rebelde na Síria. Mais de metade dos habitantes tiveram de deixar as suas casas por causa do conflito.