Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A escolha do "mal menor" no Brasil

Matrioska de Bolsonaro em Sâo Paulo
Matrioska de Bolsonaro em Sâo Paulo -
Direitos de autor
REUTERS/NACHO DOCE
Tamanho do texto Aa Aa

Fernando Haddad ou Jair Bolsonaro? É já no próximo domingo que os brasileiros escolhem o próximo presidente do país. À entrada para a última semana de campanha, Bolsonaro continua destacado nas sondagens com 59% das intenções de voto.

Já foi acusado de fascista, ditador, homofóbico, mas o candidato do Partido Social Liberal parece cada vez mais perto de ser o próximo Presidente do Brasil.

Os brasileiros estão divididos. Por um lado mostram-se conscientes destas acusações a Bolsonaro, mas por outro dizem-se cansados dos escândalos dos governos PT.

Logo, ou não votam ou escolhem o "menor dos males", como confessou a vendedora Rosangela Mesquita.

"Qualquer outro candidato que corresse contra o atual Governo, votaria nele. Podia ser o (Geraldo) Alckmin, o (João) Amoedo, o (Henrique) Meirelles. Não sou a favor do Bolsonaro, sou contra o Partido dos Trabalhadores".

O advogado Hélio Saboya confessa que não se revê em nenhum dos dois candidatos e por isso já decidiu: não vai votar.

"Um é ditador e o outro corrupto. Por isso, para mim, é impossível votar em qualquer um deles. Vou por isso passear os meus cães na praia e pagarei a multa de 3,75 reais (cerca de 80 cêntimos de euro). Assim não ficarei com peso na consciência e dormirei bem".

Não votantes que são o centro das atenções sobretudo de Fernando Haddad.

O candidato do Partido dos Trabalhadores conta com eles para evitar que o Brasil, como diz, volte à ditadura, mas a tarefa não se avizinha fácil, como explica o professor universitário Michael Mohallem.

"As pessoas associam o Partido dos Trabalhadores à corrupção e recusam ver os riscos do candidato da oposição. O povo, na minha opinião, minimiza os riscos da candidatura de Jair Bolsonaro e aposta na candidatura dele apesar de não se reverem, por exemplo, na sua agenda moral".

Na primeira volta presidencial, cerca de 20% dos eleitores não votou... o número mais elevado dos últimos 30 anos.