Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Esquerda brasileira organiza resistência a Bolsonaro

Esquerda brasileira organiza resistência a Bolsonaro
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Mariana Nery partilha a frustração de muitos jovens que sairam para as ruas no dia a seguir à vitória presidencial de Jair Bolsonaro.

Esta estudante, ativista numa organização de juventude de esquerda, teme pelo futuro das minorias que Bolsonaro diabolizou durante a campanha.

"Os meus amigos gays têm medo de se abraçarem na rua, medo de se beijarem, mesmo medo de manifestarem a sua vontade", afirma.

Mariana diz que não tinha vontade de ficar sentada sem fazer nada e decidiu juntar-se à primeira manifestação contra Bolsonaro, no Rio de Janeiro. Os opositores do novo presidente estão determinados a lutarem contra as suas políticas. Mas dizem, também, que a resistência é para combater o clima de medo.

¨"Uma pessoa como esta, ter sido eleita, significa que as pessoas estão a legitimar tudo o que ele disse: que as mulheres são inferiores, que os negros são inferiores... o corte dos movimentos sociais...", refere Mariana.

Mas o Brasil está completamente dividido. Um dos grandes desafios para estes grupos de ativistas é unirem-se em torno de uma causa comum. Vitor Guimarães, do movimento "Povo sem Medo", defende: "O que nós precisamos hoje é que as pessoas entendam os seus direitos e não aceitem que eles possam ser retirados com facilidade. Se nós conseguirmos isso, já avançámos".

Bolsonaro vai também enfrentar a resistência no congresso, onde terá que negociar as suas políticas mais controversas com 30 partidos, como refere o repórter da euronews, Héctor Estepa: "A esquerda brasileira sofreu um duro revés na eleição deste domingo. Os diferentes partidos progressistas deverão agora limar as suas diferenças para enfrentarem o bloco da direita que será liderada por Jair Bolsonar. O presidente eleito já começou a negociar com alguns dos 30 partidos representados no congresso, com o objetivo de garantir a governabilidade".