Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Parlamentos do Reino Unido e Canadá querem ouvir Zuckerberg

Parlamentos do Reino Unido e Canadá querem ouvir Zuckerberg
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de ter já deposto perante o Parlamento Europeu e o Congresso norte-americano, agora são os parlamentos do Reino Unido e do Canadá que querem ouvir o patrão do Facebook, Mark Zuckerberg, sobre o escândalo desencadeado com o uso de dados de utilizadores por parte da empresa Cambridge Analytica, que os terá usado para influenciar as eleições norte-americanas.

Já há data marcada para a audiência: Vai ser no dia 27 de novembro, em Londres, perante os comités responsáveis pela segurança digital de ambos os parlamentos.

Carta enviada a Zuckerberg pelos presidentes dos parlamentos britânico e canadiano.

Embora abalado por este escândalo, o gigante das redes sociais continua a crescer, em termos de receitas, segundo os resultados trimestrais publicados agora. No entanto, Zuckerberg alertou para uma possível quebra no futuro. Para o fundador e homem-forte do grupo, há três grandes prioridades: O vídeo, as mensagens e as histórias, pequenas sequências de imagens, com um prazo de 24 horas, populares no Instagram e no Messenger.

Zuckerberg admitiu mesmo que a grande fatia do crescimento nos números se devia às mensagens e às histórias. Todos os dias, trocam-se cem mil milhões de mensagens através das aplicações do Facebook, que incluem o Whattsapp.

Quanto às histórias, em particular no Instagram, Zuckerberg diz que são o futuro. É um modelo de publicação usado já por 400 milhões de pessoas, todos os dias. Agora, o desafio para o Facebook vai ser rentabilizá-lo e encontrar uma forma de incluir publicidade sem afastar os utilizadores.