EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Vítimas de ataque do Daesh no Egito enterradas hoje

Familiar de vítimas de ataque do Daesh no Egito
Familiar de vítimas de ataque do Daesh no Egito Direitos de autor REUTERS/MOHAMED ABD EL GHANY
Direitos de autor REUTERS/MOHAMED ABD EL GHANY
De  Ricardo Borges de Carvalho com REUTERS/AFP/EFE
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Funeral de seis dos sete mortos realizou-se este sábado, na província de Minya e ficou marcado pelo ambiente tenso e reforço de segurança à volta da igreja

PUBLICIDADE

Realizou-se este sábado o funeral de seis das sete vítimas mortais do ataque de sexta-feira na província de Minya, no Egito. Pertenciam todos à mesma família.

Uma cerimónia com um ambiente bastante tenso e que levou ao reforço da segurança à volta da igreja.

Dezenas de pessoas juntaram-se no local. Algumas tiveram de ser assistidas pelos serviços médicos depois de se sentirem indispostas devido à emoção.

As vítimas regressavam de um batizado no mosteiro cristão copta de São Samuel, quando o autocarro onde seguiam foi metralhado por homens armados.

O ataque aconteceu perto do deserto, cerca de 250 quilómetros a sul do Cairo e fez ainda 19 feridos, alguns em estado grave.

O grupo terrorista Daesh já reivindicou a autoria do atentado.

O ataque aconteceu praticamente no mesmo sítio onde em maio do ano passado, elementos do Daesh atacaram outro autocarro de cristãos egípcios e mataram 28 pessoas.

Desde dezembro de 2016, que o grupo terrorista já reivindicou vários atentados na península do Sinai que mataram mais de cem pessoas em igrejas egípcias.

Os cristãos coptas são a comunidade cristã mais numerosa e destacada do Egito. Representam cerca de 10% dos cem milhões de habitantes do país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Giorgia Meloni visita Egito para conter imigração ilegal

Egito abriu três dias de votos nas Presidenciais que devem sorrir a Al-Sissi

Von der Leyen opõe-se a "deslocação forçada" de palestinianos