Última hora

Última hora

Acabou o "racismo" dos sapatos de ballet

Em leitura:

Acabou o "racismo" dos sapatos de ballet

Acabou o "racismo" dos sapatos de ballet
Tamanho do texto Aa Aa

Bailarinas como Cira e Marie, da companhia "Ballet Black", tinham um problema: Sendo negras, não encontravam sapatos de ballet a condizer com o tom de pele, já que todos os artigos no mercado estavam feitos para peles brancas. Agora, a Freed of London, uma empresa no Reino Unido, que fabrica sapatos de ballet e exporta para mais de 50 países, quis acabar com esta discriminação.

"É muito bom, tendo em conta que os tempos estão a mudar, nós somos de todas as cores e o ballet deve ser uma coisa para todos", diz a bailarina Cira Robinson.

A técnica de dançar em pontas existe desde a primeira metade do século XIX e desde essa altura que se fabricam sapatos próprios para a executar. O ballet é uma arte que conquistou o mundo inteiro, sem conhecer fronteiras nem barreiras criadas pela cor da pele... um sentimento que esta novidade ajuda a reforçar.

Mais sobre Cult