A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Os Interesses internacionais na Líbia

Os Interesses internacionais na Líbia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Nos acordos de Skhirat, assinados em dezembro de 2015, em Marrocos, a comunidade internacional deu um voto de confiança ao governo de Fayez al Sarraj para que colocasse o país no caminho da pacificação.

Mas com tantos interesses de diversos países, não se fala a uma só voz.

Itália e França, por exemplo, concordam em vários temas, mas no terreno as suas políticas são bem diferentes.

Roma apoia o Governo de Al Sarraj, reconhecido pelas Nações Unidas, só que o seu principal foco é económico.

Tem interesses energéticos e bastantes negócios com Tripoli, sobretudo através do porto de Misrata.

Já a França apoia o general Khalifa Haftar, comandante do Exército Nacional da Líbia.

Quer garantir a segurança na zona dos seus poços de petróleo, em Sirte Basin, que ficam na região leste do país, área controlada pelo general.

Em maio, o Presidente francês juntou os dois líderes numa conferência, em Paris, e convenceu as duas fações a realizarem eleições em dezembro, mas o compromisso tornou-se letra morta.

Há também outro ator internacional em cena, a Rússia.

Nos últimos três anos, Moscovo reforçou os laços diplomáticos com a Líbia, sobretudo a aliança com o general Haftar, que foi treinado na antiga União Soviética e fala russo.

Ainda assim, o Kremlin parece ter uma abordagem mais pragmática e tratar todas fações por igual. Se por um lado promete apoio político e militar a Haftar, na região leste, por outro assina acordos de petróleo e discute oportunidades de negócio com o governo de Tripoli.

Em relação aos países árabes, muitos têm também interesse nas riquezas líbias, mas de acordo com alguns analistas, o vizinho Egito vê com bons olhos o controlo da região leste pelo general Haftar, já que cria uma zona tampão que evita que tenha fundamentalistas islâmicos junto à fronteira.