Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Angela Merkel pede Europa mais tolerante para o futuro

Angela Merkel pede Europa mais tolerante para o futuro
Tamanho do texto Aa Aa

Angela Merkel esteve no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, para refletir sobre o futuro da Europa.

Da defesa de um exército europeu ao apelo aos avisos para Itália cumprir os requisitos do Tratado Orçamental, a chanceler da Alemanha deixou recados para o presente e uma visão de como o Velho Continente deve evoluir nos próximos anos.

"Temos cooperação ao nível ao militar, e isso é muito bom, mas o que devemos fazer, e isto é muito importante, é trabalhar na visão de um dia criarmos um verdadeiro exército europeu", afirmou a chefe do governo alemão, indiferente aos apupos de alguns eurodeputados: "É ótimo estar a aborrecer algumas pessoas. Só podemos defender os nossos interesses quando agimos juntos. O tempo em que podíamos contar com outros ficou para trás."

O governo italiano também não foi esquecido pelo seu desafio às contas de Bruxelas e Angela Merkel frisou a necessidade da zona euro falar a uma só voz e em sintonia. "Quem despreza os seus deveres e não leva a sério problema da dívida põe em causa toda a Europa", atirou.

Paralelamente, reiterou a necessidade de uma maior tolerância na Europa: "Torna-se cada vez mais importante para nós, europeus, estarmos juntos. E é por isso que na União Europeia precisamos mais do que nunca do respeito pelo outro e pelos seus interesses. Mais do que nunca, precisamos de entender que a tolerância é a alma da Europa, é uma parte essencial do que somos como europeus, e que somente com tolerância podemos desenvolver a disposição de ver os interesses e as necessidades do outro como os nossos."

Apesar do discurso de conciliação, Merkel foi alvo de protestos, com os eurodeputados do SPD a responsabilizarem-na por não defender os serviços públicos.

"Ela nunca fez um grande discurso na Alemanha para defender a zona do euro, nunca explicou às pessoas porque é, antes de mais nada, também do interesse alemão estabilizar o euro e a zona euro. E se olharem para o desenvolvimento da extrema-direita, para o crescimento dos radicais na Alemanha, poderiam ver que a Alternativa para a Alemanha começou como um movimento anti-euro e se desenvolveu na direção de um partido de extrema-direita e xenófobo", disse Udo Bullman, eurodeputado alemão do SPD.

As palavras de Angela Merkel foram as primeiras ao Parlamento Europeu desde que anunciou que vai deixar a liderança da CDU e que não se vai recandidatar ao cargo de chanceler em 2021. Esta deverá ter sido a última intervenção de Merkel no Parlamento Europeu antes das eleições do organismo comunitário em maio de 2019.