A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Filarmónica de Viena comemorou os 100 anos do Armistício

Filarmónica de Viena comemorou os 100 anos do Armistício
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Maestro Franz Welser-Möst escolheu o programa.

Uma viagem desde a devastação até à esperança e à contemplação.

“Penso que estes dias de comemoração são importantes para parar e pensar no que aconteceu. Como evoluímos nos últimos 100 anos. Esta ideia foi importante para mim na escolha das obras. No início, temos uma crença e uma visão humanista. Depois o horror da guerra e a dúvida sobre o futuro”

Muitos artistas morreram ou ficaram feridos na Grande Guerra. O pianista austríaco Paul Wittgenstein perdeu o braço direito no campo de batalha. Maurice Ravel compôs um concerto para Wittgenstein, interpretado em Versailles por Yuja Wang.

Para a pianista, Ravel escreveu para uma mão mas parece que estava a pensar em três ou quatro. Yuja Wang destaca as harmonias únicas, a escolha dos instrumentos e o universo groovy e selvagem deste concerto. A pianista sublinha o “lado negro” da obra de Ravel, que relaciona com a catástrofe da Guerra

O “Concerto para a Paz” terminou com uma mensagem simbólica ao som de “Pergunta Sem Resposta” do compositor Charles Ives.

Para o Maestro Franz Welser-Möst “é um trabalho sobre a pergunta: para onde foi a visão humanista do mundo? Uma pergunta que continua sem resposta”.