Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Detenção de Carlos Ghosn gera indignação no Japão

Detenção de Carlos Ghosn gera indignação no Japão
Tamanho do texto Aa Aa

"Interesseiro" e "traidor", Carlos Ghosn caiu em desgraça e a comunicação social japonesa não tem sido nada meiga com o patrão da Renault-Nissan, acusado de declarar apenas metade dos rendimentos no país entre 2011 e 2015 e de usar bens da empresa para usufruto pessoal.

A suspeita nasceu após um inquérito interno da construtora automóvel nipónica e o caso encontra-se agora nas mãos do Ministério Público japonês. O empresário franco-brasileiro, verdadeira celebridade no país, encontra-se detido e as autoridades nipónicas têm até vinte dias para formalizar a acusação.

O escândalo rebentou numa altura em que se falava numa possível emancipação da Nissan e não deixou de fazer eco em França. Fabien Gâche, delegado sindical da CGT Renault, admite estar surpreendido com a notícia e estranha que alguém que ganha qualquer coisa como 15 milhões de euros possa achar que isso não é suficiente.

Para o ministro das Finanças francês, Bruno le Maire, os problemas de Ghosn com o fisco japonês não refletem a sua situação fiscal em França:

"Não posso adiantar elementos protegidos pelo sigilo fiscal. Posso apenas confirmar que não existe nada em particular a apontar na situação fiscal do senhor Carlos Ghosn em França."

O caso deverá arrastar-se nos próximos tempos, mas para os construtores automóveis, não há tempo a perder. No dia seguinte à detenção de Carlos Ghosn, o grupo Renault-Nissan-Mitsubishi está sob pressão para encontrar um sucessor.

O Conselho de Administração da Renault reuniu nos arredores de Paris para tentar encontrar alguém capaz de gerir esta complexa aliança industrial mas a tarefa não será fácil. Franceses e japoneses têm por vezes interesses divergente e é preciso ter em conta que o governo francês também quer ter uma palavra a dizer.

Considerado como o salvador da Renault, Carlos Ghosn arrisca agora passar os próximos dez anos numa prisão japonesa.