Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Nissan deplora comportamento "inaceitável" de Ghosn

Nissan deplora comportamento "inaceitável" de Ghosn
Tamanho do texto Aa Aa

Não demorou muito tempo até a Nissan reagir à detenção de Carlos Ghosn. Aliás, o diretor executivo do construtor automóvel, Hiroto Saikawa, declarou prontamente que o poder estava demasiado concentrado numa só pessoa.

"É óbvio que, para a companhia, tudo isto é totalmente inaceitável. O que os especialistas jurídicos nos disseram é que as ações identificadas são suficientemente graves para o afastarmos de funções", apontou Saikawa.

Ao que tudo indica, a Nissan já terá optado mesmo pela demissão, mas só na quinta-feira é que anuncia a decisão final.

Ghosn foi detido em Tóquio, após um interrogatório das autoridades nipónicas. O patrão da Renault-Nissan é suspeito de fraude fiscal, desvio de fundos e apropriação de bens para usufruto pessoal.

A procuradoria japonesa alega que, pelo menos durante 5 anos, o diretor do grupo declarou ao fisco apenas metade dos prémios recebidos, cerca de 40 milhões de euros.

Durante a tarde, as ações da Renault estiveram a cair perto de 10%.