Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Comissão Europeia e Itália mantêm braço-de-ferro

Comissão Europeia e Itália mantêm braço-de-ferro
Tamanho do texto Aa Aa

Itália e a União Europeia mantêm rota de colisão.

"Também estava à espera de uma carta do Pai Natal. Vamos discutir de forma educada como sempre fizémos"

Matteo Salvini Vice primeiro-ministro, Itália

Na quarta-feira, a Comissão Europeia classificou a proposta orçamental italiana como violando de forma grave as regras fiscais europeias dando início ao procedimento por défice excessivo. O comissário europeu para os assuntos económicos e financeiros afirma que existem dúvidas relativamente ao aumento da dívida pública.

"Quem vai pagar a conta desta despesa extraordinária? Continuamos a acreditar que este orçamento cria riscos para a economia italiana, as suas empresas, poupanças individuais e contribuintes", afirma Pierre Moscovici.

Do lado italiano, o vice primeiro-ministro, Matteo Salvini, reagiu à carta da Comissão Europeia afirmando que vai continuar o diálogo.

"Também estava à espera de uma carta do Pai Natal. Vamos discutir de forma educada como sempre fizémos. Vamos continuar".

O governo defende o plano e afirma que este orçamento vai relançar a economia, apesar das previsões apresentadas pela Comissão Europeia apontarem para um crescimento mais baixo.

"Esta comissão que agora diz que esta proposta não reduz a dívida pública italiana é a mesma comissão que até ontem nos forçou a fazer escolhas que aumentaram a dívida pública", adianta Danilo Oscar Lancini, eurodeputado italiano.

A Itália acredita que a atual comissão em final de mandato não goza do peso político para fazer cumprir medidas disciplinares no entanto, a pressão de outros estados membros é elevada.

A abertura formal de um procedimento por défice excessivo será decidida em janeiro em votação com os ministros europeus das finanças. As medidas entrariam em vigor na primavera de 2019 e obrigariam o país a reduzir a dívida nos próximos cinco anos.

A correspondente da euronews em Bruxelas afirma que "as portas ao diálogo ainda não estão fechadas. O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker têm um encontro agendado para sábado. Poderá ser a derradeira oportunidade para se encontrar terreno comum evitando um cenário em que ninguém está interessado".