A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Veto de Espanha põe em causa "Cimeira do Brexit"

Veto de Espanha põe em causa "Cimeira do Brexit"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de meses de negociações, o Brexit parece ter encalhado no estreito de Gibraltar.

Em vésperas da cimeira extraordinária em Bruxelas, União Europeia e Reino Unido ultrapassaram todos os obstáculos para chegar a um acordo de divórcio. Todos, menos um. Madrid exige garantias sobre o destino do enclave britânico, após a retirada a 29 de março de 2019, e prepara-se para se opor ao acordo, caso o direito ao veto nas futuras negociações sobre o território não fique assegurado por escrito.

"Relativamente a Gibraltar tenho a dizer que as garantias não são suficientes. Insisto, as garantias ainda não são suficientes e, portanto, Espanha mantém o veto ao acordo do Brexit. Se não há acordo é evidente que o que vai acontecer é que muito provavelmente o Conselho Europeu não se vai realizar", declarou o presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, depois de já ter recorrido ao Twitter para anunciar, em espanhol e inglês, as divergências.

Também do lado do Reino Unido, Theresa May é confrontada com a possibilidade de alterações ao acordo. Um cenário já rejeitado pela primeira-ministra britânica, que se recusa a renegociar o Brexit, caso o parlamento britânico não aprove a versão atual.

"Acho que se o acordo não se concretizar, o que acontece é que voltamos ao início. Acredito que, se voltássemos à União Europeia e disséssemos 'bem, as pessoas não gostaram do acordo, podemos ter outro? ', não vamos conseguir ... ´Não acho que venham ter connosco e digam 'vamos dar-vos um acordo melhor'", afirmou May, numa sessão de perguntas e respostas com o público de uma estação de rádio da BBC.

Os britânicos mantêm contudo o sentido de humor. Aproveitando a black friday, defensores de um segundo referendo abriram uma loja de produtos fictícios para fazer o "pior negócio de sempre".