Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Refugiados na Grécia preparam-se para enfrentar o inverno

Refugiados na Grécia preparam-se para enfrentar o inverno
Tamanho do texto Aa Aa

Na Grécia, as condições dos refugiados nos campos de acolhimento estão atingir o ponto rutura. O campo de Mória é um bom exemplo das dificuldades que milhares de refugiados enfrentam.

"Quando vamos procurar comida, é uma perda de tempo, pois temos que esperar horas"

Farishta Yousoufi Refugiada, Afeganistão

A aproximação do inverno foi suficiente para lançar o caos no campo de refugiados na ilha grega de Lesbos. Tendas inundadas e lama por todo o lado ilustra as precariedade das condições no local.

Farishta Yousoufi do Afeganistão chegou a Mória há quatro meses juntamente com o marido e as duas filhas. A jovem afirma que a vida neste local é insuportável.

"Vivemos numa tenda que não é grande o suficiente para nos proteger. Quando chove, a água entra na tenda e não conseguimos dormir. Só temos problemas. Temos que esperar horas para ver um médico. Quando vamos procurar comida, é uma perda de tempo, pois temos que esperar horas", afirma Farishta Yousoufi.

O local onde se encontra o campo de refugiados não tem aquecimento ou eletricidade. É por isso que quem lá vive chama-lhe "a selva". Alguns fazem o que podem para se prepararem para o inverno.

Ashiqullah Raeeskhil era ator de cinema no Afeganistão e participou em sete filmes.

Ele abandonou o país devido à pobreza e violência. Agora apenas procura um futuro melhor para os seus filhos.

"Gostava de voltar a trabalhar em cinema mas não tenho preferência. Preciso de trabalhar para alimentar os meus dois filhos. Quero que estudem, quero dar-lhes uma boa vida. Arranjar trabalho é muito importante para mim", diz Ashiqullah Raeeskhil.

O repórter da euronews Apostolos Staikos adianta "no campo de refugiados de Mória todos se interrogam sobre quando sairão daqui. Muitos parecem ter desistido do sonho de uma vida nova na Europa. Agora aguardam apenas pela transferência para o continente na esperança de encontrarem melhores condições de vida".