A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Teatro alla Scala de Milão recorda Patrice Chéreau com "Elektra"

Teatro alla Scala de Milão recorda Patrice Chéreau com "Elektra"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A encenação de Patrice Chéreau da ópera "Elektra" de Richard Strauss tornou-se numa referência das artes do palco contemporâneas. Recentemente, a obra voltou a encantar o público do teatro alla Scala de Milão.

O espetáculo assinala os cinco anos da morte do encenador francês. "Elektra" é a última encenação de Patrice Chéreau, falecido em 2013. A ópera de Richard Strauss estreada em 1909 inspira-se na tragédia grega. A personagem Elektra quer vingar o pai que foi assassinado pela mãe.

"O que me fascina na Elektra são as ideias de vingança que ela exprime no monólogo. Ela vive uma grande palete de emoções", frisou a soprano alemã Ricarda Merbeth que veste a pele da personagem principal.

"É essencialmente uma tragédia em que um assassinato leva a um outro crime. Podemos perceber os sentimentos dessa mulher e por que razão ela sente uma obsessão compulsiva para matar os assassinos do pai", sublinhou Christoph von Dohnanyi.

O reencontro entre Elektra e o irmão, personagem incarnada pelo barítono alemão Michael Volle, é momento alto da obra.

"Durante todo o tempo, ela esperou por ele e finalmente o irmão chega e ela quer que o irmão os mate para se vingar tal como planeou", contou a soprano alemã.

I fratelli Elektra e Oreste.

"Apesar do destino ameaçador e sangrento, é um momento de grande ternura. Graças à música de Strauss, tudo flui", contou o barítono alemão.

"Daniel Barenboim, que trabalhou muito com Patrice Chéreau, dizia que a música era uma grande fonte de inspiração para ele apesar de o encenador francês vir do teatro. Ele era um homem do palco, um artista universal, um génio que tinha muito a dizer. Ele conseguia criar uma atmosfera especial sem precisar de opulência", acrescentou Michael Volle.

Lelli e Masotti
Patrice Chéreau durante o ensaio de um espetáculo.Lelli e Masotti
Patrice Chéreau, encenador francês (1944-2013).

"O fim de Elektra é uma dança tal como no monólogo. Ela quer dançar mais uma vez e depois morrer. Patrice Chéreau queria que houvesse um movimento particular, que exprime a necessidade de dançar e ao mesmo tempo a incapacidade de fazê-lo, o que leva Elektra a cair no vazio sem fim", resumiu a soprano alemã.

A jornalista da Euronews Katharina Rabillon com a soprano Ricarda Merbeth.