Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Carvão nosso de cada dia

Carvão nosso de cada dia
Tamanho do texto Aa Aa

Nos arredores de Katowice, fica a maior mina de carvão da Europa.

Com cerca de 3500 trabalhadores, é um dos símbolos de uma região há muito descrita como o reino de carvão da Polónia.

Aqui, a mineração de carvão não é apenas uma indústria, é a essência da identidade da Silésia.

É um trabalho duro e perigoso, diz Radek, mas ele não consegue pensar em fazer outra coisa.

"Durante toda a minha vida, tenho visto esta mina desde a minha janela. O meu pai era mineiro, os meus avós trabalhavam nas minas. É uma tradição transmitida de geração em geração. É difícil explicar o porquê mas algo me atrai e continuo a trabalhar nesta mina,”revela o mineiro de uma mina de carvão, Radek Wojnar.

Num país onde o carvão é responsável por 80% da produção de energia eléctrica, as metas climáticas e energéticas da União Europeia, que incluem a eliminação gradual dos combustíveis fósseis, não são bem aceites.

O carvão emprega 85 mil pessoas e, se adicionarmos as indústrias de alto consumo de energia como a siderúrgica e a metalúrgica, pode-se dizer que meio milhão de trabalhadores dependem do setor do carvão, de acordo com líder regional do sindicato Solidariedade.

"Se este processo de descarbonização acontecer tão rápido quanto a União Europeia deseja, não conseguiremos sobreviver, economicamente e socialmente," declara o líder regional do sindicato Solidariedade, Dominik Kolorz.

O setor de mineração de carvão polaco já passou por uma profunda reestruturação nas últimas décadas. A transição nem sempre foi bem sucedida.

A cidade de Walbrzych, na Baixa Silésia, ainda não recuperou do encerramento de todas as minas nas proximidades.

Depois de perder o emprego de mineiro há quase duas décadas, Roman viajou por toda a Europa para encontrar trabalho, mas acabou por regressar sem dinheiro. Vive de biscates e, ocasionalmente, dos chamados poços da pobreza, minas ilegais escavadas na periferia da cidade.

A repressão policial aumentou. Mas isso não deterá aqueles que não têm outra opção para ganhar a vida, diz Roman.

“As autoridades virão para tapar os buracos. Mas as pessoas mais pobres vão continuar a escavar de qualquer maneira. Porque o carvão era, é e será sempre necessário," considera o mineiro desempregado Roman Janiscek.

"Longe das conversações de alto nível em Katowice, as considerações sobre a mudança climática são um luxo aos olhos daqueles para quem, como Roman, o declínio do carvão não significa nada além de tristeza," afirma a jornalista da euronews Valerie Gauriat.