A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Theresa May adia votação do Brexit pelo parlamento britânico

Theresa May adia votação do Brexit pelo parlamento britânico
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Primeira-ministra britânica anunciou o adiamento da votação do Brexit já que este deve ser rejeitado "por uma margem significativa" do parlamento. Theresa May afirmou que embora exista um amplo apoio do acordo para o Brexit em vários aspetos há ainda preocuações na generalidade:

"É claro que embora haja amplo apoio a muitos dos principais aspectos do acordo, numa questão, o controlo da Irlanda do Norte, permanece uma preocupação ampla e profunda. (...) Portanto, adiaremos o cronograma de votação previsto para amanhã e não continuaremos a dividir a casa (Câmara dos Comuns) neste momento", disse May.

Theresa May afirmou que tem a certeza que este é o acordo certo já que honra o resultado do referendo. É preciso fazer compromissos, dos dois lados do acordo, se o país quiser chegar a um compromisso com a União Europeia. Um novo referendo poderia levar a novas divisões no país, afirmou a chefe do executivo britânico.

Para o líder dos Trabalhistas, que falou logo a seguir a May, não faz sentido que a primeira-ministra volte ao parlamento com o mesmo documento que seria recusado pela maioria. Jeremy Corbyn não teve papas na língua:

"É um mau acordo para o povo britânico, um mau acordo para a nossa economia e um mau acordo para a nossa democracia. O nosso país merece melhor que isto. Se a primeira-ministra não consegue ser clara sobre a renegociação do acordo, então deve sair."

O futuro de Theresa May está em jogo e multiplicam-se os rumores de uma moção de censura, entretanto a primeira-ministra vai adiando o inadiável. A aprovação do acordo com Bruxelas na Câmara dos Comuns é essencial e 21 de janeiro é a data limite para o fazer. Aconteça o que acontecer, May jura a pés juntos que 29 de março será o último dia do Reino Unido na União Europeia.