Colapso da Ponte Morandi ainda faz sofrer Génova

Colapso da Ponte Morandi ainda faz sofrer Génova
Direitos de autor 
De  Bruno SousaGiorgia Orlandi
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Tragédia de 14 de agosto provocou 43 mortos

PUBLICIDADE

Quatro meses depois, o colapso da ponte Morandi, em Génova, continua a dominar o dia-a-dia da cidade italiana. A catorze de agosto a queda de uma secção de 200 metros do tabuleiro levou uma dúzia de automóveis a uma queda de cinquenta metros, morreram quarenta e três pessoas.

As feridas ainda não sararam e o regresso à normalidade faz-se devagar. Muito devagar.

Iris Bonacci investiu as poupanças de uma vida na compra de uma casa... a casa continua de pé mas a professora de 55 anos não voltará a entrar. O edifício será demolido por razões de segurança. A italiana não se conforma:

"Sinto raiva, sinto dor. Estou muito triste, gostava muito desta casa. O facto de ainda estar de pé e de ter de ser demolida é algo que não consigo aceitar."

A casa de Iris Bonacci encontra-se na zona vermelha, uma área de risco junto à ponte Morandi. As cerca de 300 famílias que aqui moravam tiveram de abandonar as suas casas.

O autarca de Génova, Marco Bucci, é o responsável pela reconstrução e anunciou a vontade de começar os trabalhos de demolição nos próximos dias.

Pretende cumprir a promessa que fez e ter uma ponte nova em funcionamento até ao fim de 2019. Os investigadores, no entanto, continuam as investigações para apurar a causa do colapso e dizem que precisam de mais tempo.

A reconstrução da ponte e da zona afetada pelo colapso são uma prioridade para as autoridades locais e representam um investimento de 430 milhões de euros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nova ponte de Génova prevista para final de 2019

Festival internacional de papagaios voadores regressa à praia do Norte de Itália

Mil italianos assinam manifesto para que Draghi seja presidente da Comissão Europeia