Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Nove meses após homicídio de Marielle, polícia do Rio "salva" deputado

Mural em São Paulo em tributo à vereadora assassinada Marielle Franco
Mural em São Paulo em tributo à vereadora assassinada Marielle Franco -
Direitos de autor
REUTERS/Nacho Doce/ Arquivo
Tamanho do texto Aa Aa

Na véspera da passagem de nove meses sobre o assassinato da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, e do respetivo motorista, Anderson Gomes, a policia civil do Rio cumpriu mandados de busca, apreensão e prisão relacionados com esses homicídios e, entretanto, terá conseguido evitar o homicídio de outro ativista contra o crime organizado carioca.

De acordo com o Jornal O Globo, as autoridades tero recebido uma denúncia anónima a revelar um plano para matar este sábado o deputado estadual, e futuro deputado federal, Marcelo Freixo, um conhecido amigo e aliado de Marielle Franco.

Pelo Twitter, Freixo revelou esta mesma quinta-feira estar a ser ameaçado numa altura em que se completam dez anos sobre o relatório da comissão parlamentar de inquérito (CPI), que dirigiu em 2008, numa investigação à ação de milícias no Rio de Janeiro.

O deputado estadual, eleito em outubro para o parlamento federal, revela estar "a contar com proteção policial" desde que presidiu à referida CPI, por "receber inúmeras ameaças concretas de morte."

"Apresentei medidas para o enfrentamento dos milicianos. O que foi feito? Nada", critica Freixo pela mesma rede social na internet.

O plano para assassinar o deputado estadual do Rio de Janeiro, pelo Partido Socialismo e Liberadde (PSOL), estaria a ser preparado por um polícial militar e dois comerciantes.

O trio organizado, que teria agora Marcelo Freixo no alvo, já estaria sob investigação da Divisão de Homicídios do Rio de Janeiro como suspeitos da autoria do assassinato, a 14 de março deste ano, de Marielle Franco e Anderson Gomes.

O alegado plano para assassinar o conhecido aliado de Marielle Franco mereceu também a condenação da viúva da vereadora assinada.

Pelo Facebook, Monica Benicio assinalou a marca de nove meses celebrada esta sexta-feira sobre a alegada "execução" de Marielle, criticou a falta de respostas sobre os autores desse crime e alertou para as ameaças constantes sobre os "amigos" Jean Wyllis e Marcelo Freixo.

"

As tentativas de silenciamento são ataques a nossa democracia. Mais do que nunca estaremos juntas. Ninguém solta a mão de ninguém", escreveu Mónica Benicio na sua página pessoal, apelando a "toda a solidariedade", numa publicação em que anexou uma outra do PSOL.

O partido da esquerda brasileira garante que vai continuar a cobrar "resultados, justiça e proteção do poder público", e a denunciar "as milícias, os esquemas e o extermínio das periferias."

NÃO NOS CALAREMOS!!! Amanhã são nove meses da execução da Marielle e nenhuma resposta. Nossos amigos Jean Wyllis e...

Publiée par Monica Benicio sur Jeudi 13 décembre 2018