EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Tony Blair: "Referendo Brexit é bastante provável"

Tony Blair: "Referendo Brexit é bastante provável"
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O antigo primeiro-ministro britânico Tony disse à Euronews que é bastante provável a realização de uma nova consulta popular sobre a saída Reino Unido da União Europeia. Blair falou ainda sobre onda populista que ameaça a Europa.

PUBLICIDADE

Um segundo referendo sobre o Brexit é bastante provável. A afirmação pertence a Tony Blair numa entrevista à Euronews conduzido pelo editor de politica em Bruxelas. O antigo primeiro-ministro britânico trabalhista descartou a possibilidade de não haver acordo.

"A melhor que a primeira-ministra pode fazer é perceber que o acordo dela acabou... Não vai ser aprovado. Não acho que vai ser aprovado nem que obtenha concessões sobre a questão irlandesa. Mesmo agora, se ela quisesse, poderia facilitar uma decisão do parlamento porque, no fim de contas, tem que existir um voto sobre as opções do Brexit. E ao não haver acordo terá que haver novo referendo. A possibilidade de um "não acordo", já agora, que preocupa muita gente na Europa, não existe. O Parlamento não vai permitir isso. Se não concordarem numa opção de Brexit terá que haver referendo. Por isso é que eu acho que é mais de 50 % provável nós voltarmos com um argumento fresco perante o povo britânico para ele possa decidir sobre isso", afirmou.

Tony Blair também afirmou que a União Europeia não vai entrar em colapso devido aos desafios populistas que enfrenta e que sempre soube enfrentar esse tipo de desafios.

"Estas crises sempre foram usadas pelos eurocéticos para dizer que o projeto europeu se vai desintegrar. E isso nunca aconteceu. Continuou e vai continuar porque, no final de contas, as razões para a Europa existir são muito fortes e muito poderosas, num mundo em que cada vez mais vai ser dominado pelos gigantes. América, China e possivelmente Índia. A Europa e todos os seus estados membros precisam de se unir, têm que se juntar para proteger os seus valores e interesses... aquele arquétipo racional europeu que no fim vai suplantar estas crises periódicas, apesar de severas", explicou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE acelera preparativos para Brexit sem acordo

Theresa May vs Tony Blair