Última hora

Pai da criança migrante que morreu pede uma investigação objetiva

Pai da criança migrante que morreu pede uma investigação objetiva
Direitos de autor
رویترز
Tamanho do texto Aa Aa

Foi levantada uma investigação para averiguar a morte de Jakelin Caal, a criança de sete anos que perdeu a vida depois de chegar à fronteira dos EUA.

A menina fazia parte de uma das caravanas de migrantes. Proveniente da Guatemala, Caal e o pai arriscaram tudo para chegar aos EUA.

Quando chegaram à fronteira entre o México e os EUA, Jakelin Caal sentiu-se mal e foi examinada. Mais tarde, foi transportada para o Hospital de El Paso, no Texas, onde acabou por morrer.

Várias versões da causa da morte foram divulgadas mas o pai insiste que o estado de saúde da filha só ficou condicionado com a falta de cuidados básicos na fronteira com os EUA.

"O pai cuidou da filha e certificou-se de que ela estava a comer e a beber água. Ao chegar à fronteira para receber asilo, foram detidos quase imediatamente." admitiu Ruben Garcia, o diretor da Casa da Anunciação, uma associação no Texas que acolhe refugiados. "Caal não sofreu com falta de água ou comida antes de chegar à fronteira.", disse.

Os primeiros relatórios da alfândega dos EUA revelavam que Caal teria morrido de desidratação. Mais tarde, o Hospital de El Paso, no Texas, admitiu uma outra causa da morte: paragem cardíaca pós falência do fígado.

Na fronteira, Caal foi examinada por um agente dos EUA. A administração Trump admite que, na avaliação que foi feita a Caal e ao seu pai, a menina não tinha nenhuma contra-indicação médica. As autoridades norte-americanas dizem que na triagem médica feita na fronteira, o pai assinou no formulário de Caal com "Não" na pergunta "Tem alguma doença?".

Um dia depois do departamento de segurança interna dos EUA ter dito que ia investigar a morte, o pai da pequena Caal apelou a uma investigação objetiva.

"A família quer uma investigação objetiva e completa e pede aos investigadores que o que aconteceu seja examinado dentro dos padrões reconhecidos nacionalmente.", disse Ruben Garcia.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.