Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Agitação cresce com eleições na República Democrática do Congo

Agitação cresce com eleições na República Democrática do Congo
Tamanho do texto Aa Aa

A região de Beni, no leste da República Democrática do Congo, está a ser agitada com episódios de distúrbios e revolta popular nas ruas, na sequência da decisão da Comissão Eleitoral nacional ter declarado a sua exclusão do voto nas eleições de domingo.

A justificação oficial da comissão eleitoral foi um surto de Ébola e a violência de milícias, embora muitos apontem uma tentativa de condicionamento do voto. O sufrágio, cuja realização já estava prevista desde 2016, vai determinar o sucessor de Joseph Kabila no poder.

A agravar o ambiente está ainda a decisão de expulsão do embaixador da União Europeia no país. Foram dados dois dias a Bart Ouvry para deixar o Congo, após a Europa ter imposto diversas sanções a altos dirigentes poíticos.

"Estas sanções, apesar das crenças do Conselho Europeu, violam o direito internacional, comprometem os direitos fundamentais das pessoas envolvidas e são condenadas pelas autoridades regionais e sub-regionais do continente africano", afirmou Leonard Okitundo, ministro dos Negócios Estrangeiros do país.

Esta será a primeira transição verdadeiramente democrática na República Democrática do Congo. Joseph Kabila está à frente do país desde 2001.

Para trás ficam anos de instabilidade e autoritarismo no poder do Congo, com as passagens de Laurent Kabila (entre 1997 e 2001) e Mobutu Sese Seko (entre 1967 e 1997) pela presidência congolesa.