Última hora

Ataque a deputado alemão suscita dúvidas

Ataque a deputado alemão suscita dúvidas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Na Alemanha, surgem novas informações sobre o ataque ao deputado Frank Magnitz. A extrema-direita reclama ter-se tratado de uma tentativa de homicídio, com motivações políticas, mas imagens da investigação mostram que tudo poderá não ter passado de um assalto.

Os ferimentos graves do deputado da AfD, a Alternativa para a Alemanha, são inegáveis, mas as causas do ataque ainda estão por determinar. Imagens captadas por câmaras na rua mostram Frank Magnitz a cair após ter sido agredido com um cotovelo. O político de extrema-direita diz não se lembrar do que aconteceu e admite poder ter-se tratado de um assalto

"Eu queria ir para o meu carro. Tinha estacionado o carro na garagem do teatro e obviamente podia aceder à garagem de diferentes maneiras. Mas o caminho mais curto, ou mais confortável, é pelo pátio do Teatro Goethe e eu fui por aí", conta Frank Magnitz

Em declarações à imprensa, o partido de Magnitz disse que o deputado tinha sido espancado com um pedaço de madeira e que as agressões teriam motivações políticas. Agressões que terão terminado graças à intervenção de um trabalhador no local, a única testemunha do ataque e que, de acordo com o político, "viu três pessoas na esquina e achou-as suspeitas porque usavam camisolas com capuz muito puxadas para baixo e lenços à volta do pescoço muito para cima, de forma a não se poder reconhecê-los e era muito evidente que corriam atrás de mim".

As autoridades não excluíram para já qualquer possibilidade, mas, ainda com a investigação a decorrer, negam ter provas de que Magnitz tenha sido pontapeado enquanto estava no chão, tal como o partido tinha alegado. O deputado da AfD já admitiu que tudo poderá não ter passado de um assalto que correu mal.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.