EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Maximilian Krah expulso: AfD nomeia novo chefe da delegação do Parlamento Europeu

O novo chefe da delegação da AfD no Parlamento Europeu, Rene Aust, com os co-líderes Alice Weidel e Tino Chrupalla
O novo chefe da delegação da AfD no Parlamento Europeu, Rene Aust, com os co-líderes Alice Weidel e Tino Chrupalla Direitos de autor Donogh McCabe
Direitos de autor Donogh McCabe
De  Liv Stroud
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O cientista político Antonios Souris analisa os resultados para a Euronews e afirma que parte do sucesso do AfD pode ser atribuído ao êxito da campanha nas redes sociais.

PUBLICIDADE

Maximilian Krah, cabeça de lista da Alternativa para a Alemanha (AfD) nas eleições europeias, foi expulso da delegação do partido ao Parlamento Europeu agora eleita, que será liderada por Rene Aust. Krah foi excluído numa altura em que a AfD procura voltar a integrar o grupo Identidade e Democracia (ID) em Bruxelas, depois de Marine Le Pen ter sugerido a expulsão do AfD por ser "demasiado extremista".

Durante a conferência de imprensa em Berlim, a copresidente da AfD, Alice Weidel, instou o governo alemão a convocar eleições antecipadas: "As pessoas querem que assumamos a responsabilidade governamental", disse aos jornalistas numa conferência de anúncio da nova posição da AfD.

A deputada alemã afirmou que os Verdes estão acabados. "As pessoas já perceberam o que significa quando os Verdes estão no governo. Eles estragam tudo. Arruínam as fundações. Não são um partido liberal, são um partido de proibições", acrescentou.

O co-líder Tino Chrupalla disse que os eleitores queriam ver a energia nuclear regressar à Alemanha e poder continuar a conduzir carros com motor de combustão.

A CDU foi o partido vencedor na noite de domingo, mas a AfD teve um desempenho particularmente bom entre os jovens eleitores e ficou em segundo lugar, à frente do SPD do chanceler Olaf Scholz.

O cientista político Antonios Souris afirma que parte do sucesso da AfD pode ser atribuído ao sucesso da campanha nas redes sociais, mas diz que os três partidos do governo devem parar de tentar competir uns com os outros. Exorta os partidos a "pensar em soluções políticas para os problemas" e disse que o chanceler alemão Olaf Scholz precisa de começar a explicar as políticas ao público.

Souris afirmou que os resultados também revelam alguns sinais positivos e elogiou a afluência às urnas, que bateu um recorde de 65%. Cerca de 65 milhões de pessoas residentes na Alemanha estavam habilitadas a votar.

"Para a Alemanha, houve alguns desenvolvimentos muito interessantes. Podemos ver que temos um forte partido de oposição democrata com a CDU/CSU, o que é sempre um bom sinal para a democracia", afirmou, embora também tenha havido alguns "desenvolvimentos preocupantes" relativamente às "enormes diferenças regionais na votação da direita".

Apesar da derrota histórica dos sociais-democratas nas eleições europeias, Scholz excluiu a possibilidade de convocar eleições antecipadas. Weidel disse que a AfD tem como objetivo tornar-se governo nas eleições federais de 2025.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Porque é que os jovens alemães são tão facilmente seduzidos pelas ideias da AfD?

O Parlamento Europeu está sob ameaça de espionagem?

Troca de prisioneiros entre o Irão e a Suécia: Hamid Nouri libertado