Última hora

Última hora

Defesa do cardeal Barbarin pede absolvição em caso de pedofilia

Defesa do cardeal Barbarin pede absolvição em caso de pedofilia
Tamanho do texto Aa Aa

O cardeal Philippe Barbarin chegou ao tribunal de Lyon sem prestar declarações depois dos testemunhos emocionais das alegadas vítimas de abuso sexual. As declarações das vítimas não foram suficientes para que o Ministério Público condene Barbarin - acusado de não denunciar um padre por abuso sexual.

Mas este anúncio não impediu os advogados das vítimas de investigar o caso. "O procurador diz não ter os elementos para fazer uma acusação devido às limitações do estatuto, a falta de intenção, etc etc... Não há problema. É apenas uma opinião. Não temos que a encarar como sendo uma verdade absoluta. É uma opinião... como as outras", disse o advogado Yves Sauvayre.

No terceiro dia de julgamento, os advogados de vítimas passaram ao ataque. Cinco réus e Barbarin negaram ter encoberto um pedófilo confesso. As vítimas dizem que os abusos do padre deviam ter sido denunciados.

"Quando o cardeal Barbabin nos diz que foi somente em 2014 que compreendeu a gravidade dos acontecimentos... quando na realidade ele sabia, pelo menos, desde 2010... Soube pela boca do padre: quando os atos foram cometidos, o número de vítimas, a natureza sexual dos atos... Ele próprio disse ao jornal "La Croix" - dois meses depois de conhecer Preynat - que estava sensibilizado com o sofrimento desmedido das vítimas. Portanto, agora não nos pode dizer que só teve conhecimento dos factos em 2014. Para mim, é mentira", explica o advogado Jean Boudot.

Mas o advogado de Barbarin diz que o seu cliente tem tentado responder às críticas sobre o encobrimento, mas alega que o Vaticano pretendia "evitar um escândalo público".

O advogado de defesa de Barbarin diz que: "ele foi descrito como alguém que encobriu um padre pedófilo. Percebemos agora que foram cometidos erros, em nenhum momento houve vontade de encobrir alguma coisa. Muito pelo contrário - o cardeal encorajou as ações da justiça. Espero que este processo tenha sido uma espécie de reabilitação mediática do cardeal Barbarin".

Este caso, embora sensível, para o advogado Xavier Varhamianeste caso mediático serve de exemplo. O caso agora entra no último dia de audiências. E o julgamento foi adiado para uma data posterior.