Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Oxfam alerta para crise humanitária nas ilhas gregas

Oxfam alerta para crise humanitária nas ilhas gregas
Tamanho do texto Aa Aa

Centenas de mulheres grávidas, orfãos e sobreviventes de tortura são vítimas de negligência nos campos de refugiados nas ilhas gregas. São os últimos dados do relatório "Vulneráveis e Abandonados" da Oxfam International. A organização pede ao governo e aos estados membros da UE que destaquem mais profissionais especializados, como médicos e psicólogos - principalmente em Moria.

"Houve vários relatos no passado de mulheres que se queixavam que não havia segurança na zona onde viviam dentro do campo e que não se sentiam seguras. Durante o último ano houve tumultos e protestos por vezes violentos", explica Marion Bouchetel.

A Oxfam admite que a situação melhorou ligeiramente em Lesbos, mas está longe de ser ideal. A Euronews falou com o Comissário Europeu para a migração sobre as conclusões deste relatório.

"Trabalhamos em estreita colaboração com as autoridades gregas. Fazemos sugestões, ajudamos e vamos continuar a fazê-lo. A mesma regra aplica-se a todos os outros países que estão sob pressão, como Espanha, Malta e Itália. Este é o nosso papel e a comissão europeia cumpre-o com um elevado sentido de responsabilidade."

A apenas 40 quilómetros de Atenas, o campo de refugiados de Malakasa acolhe aproximadamente 1400 migrantes, a maior parte vinda do Afeganistão. Estavam à espera de encontrar uma vida melhor, mas passam por dificuldades devido à falta de condições.

"Não temos água. Nos últimos dois dias, por causa do mau tempo, não temos água... Não podemos tomar banho. Costumava chover muito, mas agora temos a neve. Tudo está congelado. Existem alguns aquecedores, mas não são suficientes. Não sabemos o que fazer, estávamos à espera de encontrar algo melhor", disse uma refugiada vinda do Afeganistão, Karima Husina.

Seja no continente ou nas ilhas, os refugiados e os migrantes estão expostos ao frio e a intensas quedas de neve. É por isso que muitas ONG argumentam que, embora o governo grego tenha recebido fundos significativos, não melhorou as condições de vida.