Última hora

Última hora

Após ataque, Museu Judaico aposta no diálogo cultural

Após ataque, Museu Judaico aposta no diálogo cultural
Tamanho do texto Aa Aa

Já passaram quase cinco anos desde o ataque terrorista ao Museu Judaico, em Bruxelas, de que é suspeito o extremista islâmico francês Mehdi Nemmouche.

Cerca de um minuto e meio de disparos com pistola e metralhadora causaram a morte a um casal de turistas israelita, a um funcionário belga e a uma voluntária francesa, a 24 de maio de 2014.

Queríamos que este museu fosse um lugar onde as comunidades podem conviver

Chouna Lomponda Porta-voz Museu Judaico de Bruxelas

Mehdi Nemmouche começou a ser julgado, quinta-feira, na capital belga, bem como um outro francês acusado de cumplicidade por ter fornecido as armas.

A porta-voz do museu, Chouna Lomponda, disse à euronews sentir-se particularmente emocionada: "É um dia muito emotivo, mas é também o dia em que podemos dizer que nos aproximamos da verdade, da justiça e da responsabilidade".

Mais de 100 pessoas prestarão testemunho no julgamento que conta com a presença das famílias das vítimas e dos líderes da comunidade judaica.

O museu procurou virar a página, usando a cultura para promover o diálogo entre as várias comunidades.

"Após o ataque, tivemos um período de luto e fechámos o museu. Quando reabrimos, entre o público havia pessoas curiosas, pessoas que queriam mostrar solidariedade,mas era um público muito alargado. Tentámos encorajar uma reflexão sobre o tema da abertura. Queríamos, mais do que nunca, que este museu fosse um lugar onde as comunidades podem conviver", afirmou Chouna Lomponda.

A mais recente exposição temporária, dedicada ao fotógrafo norte-americano judeu Leonard Freed, segue essa lógica, com o título "Fotografando a Desordem Mundial".