A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

"Breves de Bruxelas": Brexit, clima, direitos de autor e Nicarágua

"Breves de Bruxelas": Brexit, clima, direitos de autor e Nicarágua
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A fronteira britânico-francesa de Dover/Calais poderá ser uma dos primeiros pontos a sentir impactos negativos de um Brexit sem acordo, devido ao intenso tráfego de mercadorias e à pressão migratória.

O porto francês de Calais tem sido a casa provisória para milhares de pessoas que tentam atravessar o canal da Mancha para viver na ilha. Mas é também porta de entrada e saída de muitos bens que transitam entre o continente europeu o porto inglês de Dover.

Este é o tema de abertura do programa "Breves de Bruxelas", que passa em revista a atualidade europeia diária. Em destaque estão, também, as seguintes notícias:

  • Sete Estados-membros da União Europeia ainda não apresentaram as estratégias nacionais para o clima e a energia, para a próxima década, o que deveriam ter feito até 31 de dezembro passado. A União Europeia quer ser um bom exemplo para o mundo, mas espera, ainda, as propostas da Bulgária, Chipre, República Checa, Grécia, Hungria, Luxemburgo e Espanha.

  • Portugal foi um dos 11 países que votaram contra a nova proposta europeia de regulação dos direitos de autor, o que levou ao cancelamento de uma nova ronda negocial sobre este tema, segunda-feira, entre as três instituições da União Europeia. Comissão, Conselho e Parlamento tentam encontrar um melhor equilíbrio entre os direitos dos autores e as receitas obtidas pelas empresas que difundem conteúdos na Internet.

  • A União Europeia ameaça usar "todos os seus instrumentos" contra o governo da Nicarágua. Os chefes da diplomacia dos 28 países admitem punir Daniel Ortega pela repressão violenta, desde abril, de manifestações populares a exigir a demissão do presidente, que causou três centenas de mortos e alegada tortura de detidos.