EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Detidos suspeitos do assassinato de Marielle Franco

Detidos suspeitos do assassinato de Marielle Franco
Direitos de autor Mario Vasconcellos HANDOUT
Direitos de autor Mario Vasconcellos HANDOUT
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A imprensa brasileira avançou com a informação de que o Gabinete de Flávio Bolsonaro empregou a mãe de um Capitão da Polícia, suspeito de ser o líder da milícia, que se encontra foragido.

PUBLICIDADE

Terá ganho fôlego a investigação ao assassinato da ativista dos direitos humanos Marielle Franco no ano passado. No âmbito de um caso de alegado envolvimento numa milícia dedicada a agiotagem e extorsão, foram detidos numa grande operação no rio de janeiro cinco pessoas que terão ligações o assassinato da vereadora e do motorista. O Ministério Público não descartou a hipótese mas também não confirmou as suspeitas mas garantiu que podem agora ser feitas convocatórias para apurar factos.

Um desenvolvimento que arrastou o filho do Presidente Jair Bolsonaro. A imprensa brasileira avançou com a informação de que o Gabinete de Flávio Bolsonaro empregou a mãe e a mulher do líder da milícia, que se encontra foragido.

Flávio Bolsonaro, que o homenageou numa assembleia municipal do Rio, reagiu e anunciou tratar-se de uma campanha difamatória com o objetivo de atingir o pai e que a contratação, em 2016, foi levada a cabo por indicação de um ex-assessor e que não pode ser responsabilizado por factos que desconhece.

Quanto à homenagem, o senador refere que foi uma entre muitas, que sempre atuou para defender as forças de segurança e espera que os que cometem erros devem responder pelos seus atos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Um ano da morte de Marielle Franco e tudo por resolver

Caso Marielle Franco: Pol´icia do Rio investigada

Brasil 2018: Homenagem a Marielle Franco entra na campanha