Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Guaidó e Maduro esticam a corda

Guaidó e Maduro esticam a corda
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Dois dias depois de se ter autoproclamado como presidente interino da Venezuela, o líder da oposição e do parlamento do país, Juan Guaidó, juntou milhares de pessoas no centro de Caracas, onde garantiu estar a trabalhar para a formação de um governo transitório e marcar eleições livres.

"Em apenas dois dias, graças à confiança, à legalidade, à constituição e ao respeito, conseguimos mais do que eles em seis anos", disse em referência à liderança de Nicolás Maduro.

A reação do ainda presidente, reconhecido por uma boa parte da comunidade internacional, não se fez esperar. Para ele, trata-se de um golpe: "Um golpe de Estado que quer intervir na vida política da Venezuela e instalar um regime fantoche dos interesses do império norte-americano e seus aliados no mundo ocidental", disse Maduro.

Nas ruas, a contestação a Maduro tem vindo a crescer. Depois de ter perdido o controlo do parlamento em 2015 e ao ser reeleito no ano passado numas eleições muito contrestadas, o poder do sucessor de Hugo Chávez pode estar por um fio. Os confrontos da última semana fizeram já, pelo menos, 26 mortos, segundo dados não oficiais.