Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Maduro denuncia golpe de Estado

Maduro denuncia golpe de Estado
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Maduro não sai, da presidência ninguém o tira. O presidente da Venezuela, que a 10 de janeiro renovou o mandato, não tem dúvidas: as ações políticas dos últimos dias, não são mais que um golpe de Estado da oposição orquestrado por forças internacionais.

Munido da constituição, o chefe de Estado fez uma declaração ao país e para quem o quisesse ouvir. "A tentativa de golpe de Estado é acompanhada por um golpe internacional. Há um golpe mediático internacional contra a Venezuela. Estou comprometido com o diálogo nacional, hoje, amanhã e sempre estarei comprometido e pronto para ir onde quer que tenha de ir pessoalmente", afirmou o presidente venezuelano.

A oposição continua a ter apoio popular. Depois de se autoproclamar presidente, Juan Guaidó encontra nas ruas um reforço de poder, mas olha para fora à procura de aliados. E é no palco internacional que novas peças se movem.

Elliott Abrams, especialista internacional das administrações de Reagan e Bush, junta-se agora a Trump para lidar com a crise na Venezuela, ou, como o Secretário de Estado Mike Pompeo colocou a questão, "restaurar a democracia" no país.

Os Estados Unidos, que esta semana reconheceram Juan Guaidó como presidente interino, disponibilizaram 20 milhões de dólares, o equivalente a perto de 18 milhões de euros, para ajuda humanitária na Venezuela. Com a crise sem fim à vista, alguns diplomatas norte-americanos estão de regresso a casa.