Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

EUA impõem sanções à petrolífera venezuelana

EUA impõem sanções à petrolífera venezuelana
Tamanho do texto Aa Aa

A administração Trump impôs sanções à petrolífera estatal venezuelana PDVSA, a medida mais dura, em termos financeiros, aplicada até agora pelos EUA contra o país da América Latina:

"É a hora de defender a Democracia e a prosperidade na Venezuela. Reitero que os EUA responsabilizarão as forças de segurança venezuelanas pela manutenção da segurança de todos os funcionários diplomáticos dos EUA, da Assembleia Nacional e do presidente Guaidó." - Afirmou John Bolton, conselheiro para a Defesa dos EUA.

As sanções pretendem aumentar a pressão sobre Nicolás Maduro e demonstrar apoio dos EUA a Juan Guaidó. O autoproclamado presidente interino do país espera que a pressão continue:

"Espero muita firmeza e que depois destes oito dias seja aumentada a pressão e se exija, com contundência, o reconhecimento da nossa Constituição, da luta Democrática, como está a fazer a Assembleia Nacional, a única autoridade legítima, eleita por volto popular, e também aumentar o processo de sanções, se necessário, de pressão e sobretudo de apoio humanitário." - Adiantou Guaidó.

Maduro, que conta com o apoio de países como a Rússia e a China, não está pronto para ceder e ataca Donald Trump:

"Dizemos a Donald Trump: "não te metas com a Venezuela! Donald Trump tira as mãos da Venezuela, imediatamente!" - Afirmou o chefe de Estado venezuelano.

Washington diz que as sanções contra a petrolífera venezuelana visam impedir que o governo de Maduro desvie fundos da empresa estatal, mas elas podem ajudar a agudizar a crise humanitária no país, já que esta luta de titãs não tem fim à vista.