Papa Francisco parte para os Emirados Árabes Unidos

Papa Francisco parte para os Emirados Árabes Unidos
Direitos de autor رویترز
De  Euronews com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Antes de embarcar o Sumo Pontífice apelou ao respeito pelas tréguas no Iémen

PUBLICIDADE

A visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos será a primeira de um Sumo Pontífice ao Golfo Pérsico. Antes de embarcar para a viagem de três dias, tão histórica como simbólica, o Papa manifestou-se depois da oração do Angelus, no Vaticano.

Apelou ao respeito pelas tréguas no Iémen de forma a por termo à grave crise humanitária no país: "Apelo a todas as partes envolvidas e à comunidade internacional para favorecerem de forma urgente o respeito dos acordos que foram alcançados, para assegurarem a distribuição de alimentos e o trabalho para o bem da população. Convido todos a rezar pelos nossos irmãos do Iémen."

Nos Emirados Árabes Unidos, o principal aliado da Arábia Saudita na guerra no Iémen, está tudo a postos para a chegada do Papa.

O Sumo Pontífice desloca-se a Abu Dhabi para participar numa conferência sobre o diálogo inter-religioso pensada para combater o fanatismo e promover a postura moderada do Islão.

Esta segunda-feira decorre a cerimónia de boas-vindas no Palácio Presidencial. Segue-se uma visita ao príncipe herdeiro. À tarde, depois de um encontro privado com os membros do Conselho Muçulmano de Anciãos (Muslim Council of Elders) na Grande Mesquita do xeque Zayed, decorre o encontro inter-religioso em que se aguarda um discurso do Papa.

O périplo prossegue na terça-feira com uma visita à Catedral de Abu Dhabi. O Sumo Pontífice preside depois à Missa no estádio Zayed Sports City para mais de 130 mil pessoas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Papa Francisco promove tolerância religiosa nos Emirados Árabes Unidos

Países anunciam milhares de milhões de euros na COP28 para apoiar agricultura

Putin visita Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita, países que não têm obrigação de detê-lo