A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

"Nanopartículas podem provocar inúmeros problemas respiratórios"

"Nanopartículas podem provocar inúmeros problemas respiratórios"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As partículas minúsculas emitidas pelos motores de combustão poluem a atmosfera com substâncias venenosas e representam uma das principais causas da má qualidade do ar que respiramos.

A cada ano, só na União Europeia, estima-se que meio milhão de mortes prematuras são provocadas por este tipo de poluição. É dez vezes mais que o número de fatalidades em acidentes de viação.

A atual legislação da UE não regula ainda as emissões pelos motores a gasóleo ou gasolina de partículas 23 mil milhões de vezes mais pequenas que um metro, isto é 23 nanómetros. Estas nanopartículas representam perigo para a saúde humana e não só.

Zissis Samaras, além de diretor do Laboratório de Termodinâmica Aplicada da Universidade Aristóteles, de Salónica, é também o coordenador da "Down To Ten" ("Baixar para 10", em tradução literal), um projeto de investigação com fundos europeus e cujo objetivo é desenvolver novas ferramentas de medida das partículas expelidas pelos veículos motorizados com 10 nanómetros.

O sucesso deste projeto pode vir a ajudar os fabricantes de veículos a desenvolver motores com uma considerável redução na emissão de nanopartículas nocivas para a saúde.

Samaras reconhece que "os carros têm vindo a ser limpos" e fala-nos de "um longo caminho, desde o início dos anos oitenta, até termos agora emissões de partículas extremamente baixas":

"Em alguns casos, em concentrações mais baixas do que o próprio ar atmosférico que nos rodeia. No entanto, ainda persistem alguns problemas. A maioria associados a partículas muito pequenas que nem sequer são abrangidas pelas atuais regulamentações e que podem ser quase tão pequenas quanto o gás.

"Existem em especial duas formas pelas quais estas partículas podem afetar a saúde do Homem. Uma, são os pulmões. As partículas podem ser inaladas e penetrar muito fundo no sistema e provocar inúmeros problemas respiratórios.

"A somar a isto, e embora sejam realmente muito pequenas, estas nanopartículas permitem uma área considerável para que outras substâncias nocivas sejam arrastadas e também absorvidas pelos pulmões."