Última hora

Última hora

"Nanopartículas podem provocar inúmeros problemas respiratórios"

"Nanopartículas podem provocar inúmeros problemas respiratórios"
Tamanho do texto Aa Aa

As partículas minúsculas emitidas pelos motores de combustão poluem a atmosfera com substâncias venenosas e representam uma das principais causas da má qualidade do ar que respiramos.

A cada ano, só na União Europeia, estima-se que meio milhão de mortes prematuras são provocadas por este tipo de poluição. É dez vezes mais que o número de fatalidades em acidentes de viação.

A atual legislação da UE não regula ainda as emissões pelos motores a gasóleo ou gasolina de partículas 23 mil milhões de vezes mais pequenas que um metro, isto é 23 nanómetros. Estas nanopartículas representam perigo para a saúde humana e não só.

Zissis Samaras, além de diretor do Laboratório de Termodinâmica Aplicada da Universidade Aristóteles, de Salónica, é também o coordenador da "Down To Ten" ("Baixar para 10", em tradução literal), um projeto de investigação com fundos europeus e cujo objetivo é desenvolver novas ferramentas de medida das partículas expelidas pelos veículos motorizados com 10 nanómetros.

O sucesso deste projeto pode vir a ajudar os fabricantes de veículos a desenvolver motores com uma considerável redução na emissão de nanopartículas nocivas para a saúde.

Samaras reconhece que "os carros têm vindo a ser limpos" e fala-nos de "um longo caminho, desde o início dos anos oitenta, até termos agora emissões de partículas extremamente baixas":

"Em alguns casos, em concentrações mais baixas do que o próprio ar atmosférico que nos rodeia. No entanto, ainda persistem alguns problemas. A maioria associados a partículas muito pequenas que nem sequer são abrangidas pelas atuais regulamentações e que podem ser quase tão pequenas quanto o gás.

"Existem em especial duas formas pelas quais estas partículas podem afetar a saúde do Homem. Uma, são os pulmões. As partículas podem ser inaladas e penetrar muito fundo no sistema e provocar inúmeros problemas respiratórios.

"A somar a isto, e embora sejam realmente muito pequenas, estas nanopartículas permitem uma área considerável para que outras substâncias nocivas sejam arrastadas e também absorvidas pelos pulmões."