Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Donald Trump anuncia novo encontro com Kim Jong-Un

Donald Trump anuncia novo encontro com Kim Jong-Un
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou, na terça-feira, que vai reunir-se, a 27 e 28 de fevereiro, no Vietname, com o líder da Coreia do Norte, Kim Jung-un.

"Como parte de nossa ousada diplomacia, estamos a dar continuidade ao nosso esforço histórico pela paz na península coreana", disse Donald Trump, no discurso do Estado da União, proferido perante o Congresso norte-americano, antes de anunciar a data e o local da segunda cimeira com Kim Jong-un.

"A minha relação com Kim Jon-Un é boa. O presidente Kim e eu vamos encontrar-nos novamente nos dias 27 e 28 de fevereiro no Vietname", revelou, depois de se ter encontrado pela primeira vez em Singapura, em 12 de junho de 2018.

Também ao nível da política externa, Donald Trump lançou ataques à Venezuela e ao Irão, criticando Nicolás Maduro e o que disse ser o "regime radical" de Teerão. Por outro lado, o presidente destacou os sucessos no combate ao Estado Islâmico e a retirada de tropas americanas do Afeganistão.

Já nas questões domésticas, as disputas partidárias entre Republicanos e Democratas, nomeadamente na área da imigração, voltaram a deixar à vista as divisões, apesar dos apelos iniciais de compromisso e união. Apelos que cedo se tornaram em avisos e ataques ao Partido Democrata, ainda com a recente paralisação parcial do governo bem fresca na memória.

"Podemos superar divisões antigas, curar velhas feridas, construir novas coligações, forjar novas soluções e desbloquear a promessa extraordinária do futuro da América. A decisão é nossa... Esta noite, peço-vos que escolham a grandeza."

As palavras de Trump foram sublinhadas com o aplauso dos republicanos. Do outro lado, a bancada democrata - com a 'speaker' Nancy Pelosi, líder da maioria no Congresso, a reagir por diversas vezes imediatamente atrás de Trump - parecia adivinhar os recados sobre o polémico muro com o México, que esteve na base do recente 'shutdown', o mais longo da história política americana.

"Nenhuma questão ilustra melhor a divisão entre a classe trabalhadora e a classe política da América do que a imigração ilegal. No passado, a maioria das pessoas nesta sala votou por um muro, mas o muro apropriado nunca foi construído. Eu vou fazê-lo."

Os democratas recusaram aprovar um financiamento de 5,7 mil milhões de dólares (cinco mil milhões de euros), que Trump reclamava para construir um muro na fronteira com o México e uma nova decisão tem de ser alcançada até 15 de fevereiro. Em causa pode estar um novo 'shutdown' se os dois partidos não chegarem a um acordo no Congresso.