Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Felix Tshisekedi escolhe Angola para primeira visita de Estado

Felix Tshisekedi escolhe Angola para primeira visita de Estado
Direitos de autor
EPA / AMPE ROGERIO
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Uma das maiores potências africanas e um país onde vive uma importante comunidade congolesa, razões suficientes para Felix Tshisekedi, o novo presidente da República Democrática do Congo escolher Angola, país vizinho, como primeira visita de estado internacional.

Mais ainda, o homólogo angolano, João Lourenço, empenhou-se para que a transição democrática se desenrolasse sem sobressaltos. Felix Tshisekedi chegou com uma comitiva onde estavam os ex-ministros da Defesa, da Diplomacia e das Finanças do governo de Joseph Kabila,

"Trago uma mensagem de paz e fraternidade para o meu homólogo angolano e também para o povo angolano para estender a mão com o objetivo de acentuar a cooperação", declarou Tshiseked.

João Lourenço quer reforço da cooperação na defesa, já que a região dos grandes lagos é tradicionalmente turbulenta. Outra grande área das parcerias é a económica e com um olhar no combate ao desemprego.

"Juntos podemos partilhar experiências e vencer a realidade atual vigente nos nossos países de falta de infraestruturas de eletrificação, industrialização, de desemprego entre outros", declarou.

O triunfo de Felix Tshisekedi nas eleições de dezembro foi contestado pelo rival Martin Fayulu que reivindicou uma vitória com mais de 60% dos votos. O presidente Congolês salienta a legitimidade do seu mandato.

"Perante o mundo inteiro tiveram a oportunidade de demonstrar durante comparência no tribunal constituição os meios de prova e avançar com os argumentos que sustentam as suas alegações", disse.

Tshisekedi afirmou compreender a Operação Transparência, iniciada pelas autoridades de Angola em setembro de 2018, que levou à expulsão de mais de 400 mil congoleses em situação ilegal. Mas sublinhou ser necessário também não esquecer que existe uma luta pela sobrevivência por parte dessas pessoas.

Depois de Angola, o presidente congolês seguiu para o Quénia.