EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Com a ajuda bloqueada, venezuelanos vão à Colômbia buscar bens

Com a ajuda bloqueada, venezuelanos vão à Colômbia buscar bens
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Continua o braço-de-ferro entre o autoproclamado presidente interino Juan Guaidó e Nicolás Maduro, que detém o poder efetivo.

PUBLICIDADE

Apesar da situação da Venezuela, toneladas de ajuda humanitária continuam bloqueadas na fronteira com a com a Colômbia. Pacotes de arroz, latas de conservas e medicamentos estão à espera de poder seguir para a Venezuela, mas o exército venezuelano está a bloquear a ponte que separa os dois países.

É uma situação que Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, proclamado presidente interino do país, promete resolver, como explicou ao enviado especial da RTP à Venezuela, Hélder Silva: "Já temos quase 100 milhões de dólares aprovados em ajuda humanitária. E essa ajuda vai diretamente para os mais vulneráveis. Entre 250 mil e 300 mil venezuelanos estão em risco de morrer. Esta ajuda é para eles. Já a pedimos, já foi autorizada e começou a chegar. O primeiro ponto onde tem de ser distribuída é Cúcuta. É uma ajuda necessária para salvar vidas".

Guaidó espera que esta seja a primeira de várias entregas de ajuda humanitária. Com a ajuda bloqueada na fronteira, as pessoas estão a deslocar-se a este ponto de recolha na Colômbia. A passagem das colunas humanitárias para a Venezuela só pode ser autorizada pelo poder afeto a Nicolás Maduro, que controla os militares. Mesmo se Guaidó foi reconhecido por vários países como presidente interino, Maduro continua a exercer o poder efetivo no país.

Outras fontes • Hélder Silva/RTP

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novo relatório alerta para a possibilidade de fome generalizada no norte da Faixa de Gaza

Cerca de 5 milhões em situação de insegurança alimentar no Haiti devido a violência

Israel lança ataque no hospital Al-Shifa e faz vários mortos