Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O que esperar das eleições europeias?

O que esperar das eleições europeias?
Tamanho do texto Aa Aa

Dentro de uma centena de dias, aproximadamente, os europeus vão às urnas. Mas desta vez as coisas prometem ser diferentes.

A imigração, o "Brexit" e a cibersegurança mudaram por completo o debate público em relação ao que a Europa pode, deve e precisa, ou não, de fazer.

O diretor e cofundador do think tank "VoteWatch Europe", Doru Frantescu, considera que os populistas aproveitaram a onda para se propagar, continuando a enfraquecer a arquitetura política existente.

"Veremos uma maior fragmentação do Parlamento. Os dois grandes grupos ficarão mais pequenos e os pequenos ficarão maiores. Isso significa que será muito mais difícil fazer coligações. Que as maiorias no próximo parlamento precisarão de mais pessoas à mesa para alcançar uma maioria", sublinhou, em entrevista à Euronews, Doru Frantescu.

Tudo aponta para que a nova câmara se traduza em algo nunca antes visto. Há o risco de os partidos antieuropeus ganharem o estatuto de uma minoria paralisante, o que poderia dar mais energia ao debate político sobre a Europa, acrescentou Frantescu: "Espero que a participação seja maior desta vez porque a Europa tem sido um assunto muito mais importante nas agendas dos Estados-membros, tanto por parte dos eurocéticos como por parte dos pró-europeus. Houve muitas crises tratadas pela União Europeia e o público sabe disso. Talvez alguns tenham gostado, outros não, mas têm uma visão."

A paisagem política europeia mudou muito ao longo dos últimos anos. Os guardiões da tradição e estabilidade têm sido desafiados por elementos que colocam em causa as regras. Mas será que todos seguiram as regras?

O porta-voz do Parlamento Europeu, Jaume Duch, diz que as pessoas estão conscientes de campanhas de desinformação no passado: "Penso que os cidadãos europeus foram inundados por informações de má qualidade através das plataformas digitais e afins. Estamos conscientes. É preciso voltar gradualmente à fonte normal de informações que são os meios de comunicação social profissionais."

Mas o lado negro do ciberespaço mantém-se com o risco de nova desinformação e potencial ingerência nas eleições. Tudo pode ser diferente, mas algumas coisas já não são novidade.