Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Nicolás Maduro: "Governos da UE cometeram grande erro com a Venezuela"

Nicolás Maduro: "Governos da UE cometeram grande erro com a Venezuela"
Tamanho do texto Aa Aa

No momento em que a Venezuela atravessa uma grave crise económica e social, com escassez generalizada, hiperinflação e um êxodo de quase quatro milhões de pessoas num país com cerca de 32 milhões de habitantes, o Presidente venezuelano Nicolaas Maduro deu uma entrevista à Euronews.

Maduro acusa a União Europeia de parcialidade e de ceder a Donald Trump.

Nicolás Maduro, Presidente da Venezuela: Acredito que Frederica Mogherini e os governos da UE cometeram um grande erro com a Venezuela. Eles ouviram apenas um lado, prestaram atenção apenas a um lado. Eles não ouviram o país inteiro que quer paz, diálogo, compreensão, respeito. E não nos ouviu, nós que temos uma voz de verdadeiro poder. Acredito que a Europa se associou cegamente às más políticas de Donald Trump - a política de Trump descartou a NATO, os governos da UE e a UE. Trump torceu o braço e impôs a sua política que prejudicou a Venezuela.

Maduro acusa a oposição que está nas ruas de tentar levar a cabo um golpe de estado e diz que Juan Guaidó, líder da Assembleia Nacional e autoproclamado Presidente interino da Venezuela, é algo passageiro.

Nicolás Maduro: Foi uma loucura. Eles queriam um golpe militar, mas falharam. Estavam a jogar a carta do golpe de Estado militar, mas acabou.

Euronews, Anelise Borges: Acha que eles falharam?

Nicolás Maduro: Tenho conhecimento, sei o que digo.

Euronews: Mas eles ainda estão nas ruas ...

Nicolás Maduro: Pois que continuem. Eles podem ficar nas ruas o tempo que quiserem. Não é a primeira vez. Entre 2002 e 2003, durante o golpe do Comandante Chávez, eles manifestaram-se três vezes por dia, durante mais de cem dias. Que continuem. Em 2018 estiveram nas ruas durantre 120 dias completos. Eles têm o direito de o fazer. Que protestem, que reclamem, mas sempre pacificamente. Faz parte do que eu chamo na Venezuela de democracia mobilizada. Eles mobilizam, nós mobilizamos e tudo bem se for pacificamente.

Euronews: Então, não há negociações em curso com Guaidó?

Nicolás Maduro: Ele não é a oposição. Nós temos de falar sobre a oposição como um todo. Ele (Guaidó) é algo temporário. A oposição, o que eles pensam, tem que ser tratada como um todo.

Euronews: Estão a falar com a oposição?

Nicolás Maduro: Sempre. Não foi tornado público mas temos canais de conversação e entendimento.