Última hora

Última hora

União Europeia diz que não vai baixar os braços a respeito da Venezuela

União Europeia diz que não vai baixar os braços a respeito da Venezuela
Tamanho do texto Aa Aa

Os membros do Grupo parlamentar do Partido Popular Europeu impedidos de entrar na Venezuela por Nicolás Maduro já se encontram em solo europeu. Prometeram continuar com a luta pela liberdade no país sul-americano.

"A luta do povo venezuelano continua," explicou o eurodeputado Esteban González Pons, do grupo parlamentar do Partido Popular Europeu.

"O tirano fecha as portas, fecha as janelas e apaga as luzes que não possamos ver. Quando um agressor apaga as luzes, fecha as portas e as cortinas, isso significa que passa das palavras aos atos," continuou.

Nicolás Maduro ainda que não iria permitir que o que definiu como extrema direita perturbasse a "estabilidade da Venezuela."

Federica Mogherini lamentou a situação. A Alta Representante da União Europeia para a Política Externa prometeu que o trabalho do grupo internacional de contacto era pra continuar:

"Claro que falámos do caso e lamentamos a situação. Mas não debatemos a possibilidade de que a União Europeia interrompa o trabalho do Grupo Internacional de Contacto, antes pelo contrário."

"Todos os Estados membros insistiram na importância deste instrumento, o único de que dispomos, porque é uma forma de contacto clara nos seus objetivos. Queremos eleições antecipadas, democráticas e pacíficas como solução para a crise."

Portugal lamentou decisão de Maduro

Do Grupo Internacional de Contacto para a Venezuela fazem parte sete países europeus, entre os quais Portugal, e quatro latino-americanos.

O ministério português dos Negócios Estrnageiros reagiu à decisão de Caracas. Lisboa disse lamentar e condenar a expulsão pelas autoridades policiais venezuelanas.

O MNE acrescentou que "a Venezuela precisa de gestos de abertura e não de medidas hostis."