EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Angola vê com interesse um canal lusófono internacional

Angola vê com interesse um canal lusófono internacional
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Domingos Augusto, considera que a questão financeira seria o grande constrangimento para se criar um canal lusófono internacional ao nível da CPLP mas com vontade política os obstáculos seriam ultrapassados.

PUBLICIDADE

Angola vê com bons olhos a criação de um canal lusófono internacional ao nível da CPLP. A indicação foi dada pelo ministro angolano das Relações Exteriores, Manuel Domingos Augusto, em entrevista exclusiva à Euronews.

O chefe da diplomacia Angola referiu que "a comunicação entre povos é fundamental, especialmente quando falam a mesma língua. Através dessa comunicação poderemos estar a par sobre o que cada um de nós faz e descobrir até oportunidades ou debilidades que podem ser depois objeto de empenho das autoridades e das respetivas sociedades civis para tornar a comunidade mais harmoniosa".

Manuel Domingos Augusto explicou que "a questão financeira seria o grande constrangimento. Nem todos temos as mesmas possibilidades mas penso que quando há vontade política, grandes ideias, o dinheiro aparecerá porque podemos fazer interessar outros parceiros que tenham interesse nos nossos países, que possam vir a trabalhar connosco nesse sentido".

Em janeiro, a ideia de um canal de televisão lusófono foi referenciada pelo deputado português Jorge Lacão, à margem dos trabalhos da VIII Assembleia Parlamentar da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (AP-CPLP), que decorreu na capital de Cabo Verde, Praia.

O canal lusófono, explicou, seria "partilhado pelos vários canais de televisão dos vários países, com uma dimensão à escala planetária".

A ambição da CPLP em criar um canal de televisão internacional e já existe há pelo menos 12 anos, mas nunca saiu do papel.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os desafios de África em direção ao futuro

Embaló reúne-se com Putin e apela à paz

Guiné Equatorial anuncia fim da pena de morte no país