EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Vaticano reage a condenação de cardeal australiano

Vaticano reage a condenação de cardeal australiano
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A notícia da condenação do cardeal australiano, George Pell, por ofensas sexuais, envolvendo crianças, provocou uma onda de choque também no Vaticano.

PUBLICIDADE

A notícia da condenação do cardeal australiano, George Pell, por ofensas sexuais, envolvendo crianças, provocou uma onda de choque também no Vaticano. A decisão foi anunciada poucos dias depois do papa Francisco encerrar a conferência sobre o abuso sexual de crianças por membros da Igreja Católica:

"Esta é uma notícia dolorosa. Sabemos que chocou muitas pessoas, não só na Austrália. Como já foi dito noutras ocasiões, reiteramos o maior respeito pelas autoridades judiciais australianas", afirmou Alessandro Gisotti, porta-voz em exercício da Santa Sé.

Durante duas décadas, aquele que foi o terceiro homem mais poderoso da Igreja Católica, foi também a figura dominante na Austrália. Para as vítimas de abusos sexuais é um momento de esperança:

"A Igreja Católica não é tão poderosa como era quando éramos crianças. Os dias em que eles podiam influenciar o governo já passaram. E com razão. As crianças de quem abusaram nesses orfanatos, éramos tratados como sendo de uma classe inferior. Mas agora, já acreditam em nós", desabafa Leonie Sheedy, da Care Leavers Australasia, e vítima de abusos sexuais.

A sentença foi determinada em dezembro. Pell foi considerado culpado, por unanimidade, de cinco acusações de crimes sexuais contra crianças, cometidos numa catedral de Melbourne. Mas o veredicto foi alvo de uma providência cautelar que impediu que este fosse lido até agora.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cardeal George Pell detido por abuso sexual de menores

Cardeal George Pell pela primeira vez em Tribunal na Austrália

Milhares de húngaros manifestam-se para exigir reformas na proteção das crianças