A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Mulheres de militantes do Daesh querem regressar às origens

Mulheres de militantes do Daesh querem regressar às origens
Direitos de autor
REUTERS/Rodi Said/File Photo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Volta a surgir o debate sobre os militantes do Daesh, na Suécia. Uma mulher de origem sueca que se juntou ao grupo terrorista há seis anos pediu ajuda ao país. Pretende voltar à Suécia com os dois filhos. "Eu quero ir para casa. Quero acordar um dia na Suécia e colocar estes últimos seis anos para trás das costas. Enterrá-los e esquecê-los completamente."

Aproximadamente 300 pessoas partiram da Suécia para a Síria para se juntarem às fileiras do Daesh. O governo sueco afirmou que não tem qualquer intenção de os ajudar a voltar ao país.

"Esta é uma forma razoável de proteger a Suécia do islamismo radical. Não vejo outro caminho e isto pode levar-nos a manter as pessoas sob custódia durante muito tempo enquanto encontramos uma solução, mas a Suécia não é uma alternativa", disse o porta-voz dos Democratas Suecos, Adam Marttinen.

A mulher sueca não é o único caso que causa agitação. A esposa de um militante holandês do Estado Islâmico também pediu ajuda ao Reino Unido para voltar. O Reino Unido rejeitou o pedido e recusou-lhe a cidadania britânica.

Centenas de britânicos já voltaram de zonas controladas pelo Estado Islâmico. Alguns foram condenados e outros submetidos a programas de desradicalização.