Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Nicolás Maduro quer manifestações "anti-imperialistas"

Nicolás Maduro quer manifestações "anti-imperialistas"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Nicolás Maduro promete derrotar o que identificou de "minoria enlouquecida" e pede manifestações anti-imperialistas.

As declarações do Presidente da Venezuela, durante uma cerimónia para comemorar o sexto aniversário da morte do seu antecessor, Hugo Chávez, foram as primeiras feitas publicamente desde que o líder da oposição, Juan Guaidó, regressou ao país, segunda-feira.

"Enquanto uma minoria enlouquecida (a oposição) continua com o seu ódio, com a sua amargura. É problema deles. Nós não vamos prestar atenção a eles, compatriotas. Vamos pará-los no seu caminho, no trabalho, no ensino, numa união nacional. Vamos avançar," declarou Nicolás Maduro.

Por seu lado, o presidente do Parlamento e autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó, exortou os funcionários públicos, que tradicionalmente apoiam Maduro, a entrarem em greve.

"Hoje, como resultado desta reunião, deste grande evento, vamos trabalhar para encontrar uma forma de ajudar os trabalhadores do setor público de forma a que não continuem a colaborar com a ditadura. Para que os trabalhadores públicos não se sintam obrigados a cooperar. nunca mais, nem serem obrigados a nada," afirmou Juan Guaidó.

A oposição tenta capitalizar o momento do regresso de Guaidó à Venezuela, que desobedeceu à proibição de sair do país, decidida pelo Supremo Tribunal de Justiça, e pressionar a queda de Maduro.