This content is not available in your region

Parlamento britânico rejeita derradeiro acordo de Theresa May

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Parlamento britânico rejeita derradeiro acordo de Theresa May
Direitos de autor  REUTERS/Toby Melville

O parlamento britânico reprovou o acordo para o brexit que Theresa May levou esta terça-feira a votos: 391 votos contra o acordo, 242 a favor.

A derrota da primeira ministra significa uma nova votação: uma saída sem acordo do Reino Unido, agendada para esta quinta-feira.

Não parece haver dúvidas do que acontecerá esta quinta-feira, o mais provável é que os deputados votem contra a saída do Reino Unido sem acordo. Theresa May deverá pedir um adiamento da data do Brexit.

Se os deputados rejeitarem um Brexit sem acordo, haverá uma votação na quinta-feira sobre a extensão do Artigo 50, o que adiaria o "divórcio", marcado para 29 de março.

"Votar por uma extensão não resolve os problemas do governo. A União Europeia vai querer saber se o Reino Unido quer revogar o artigo 50 ou se quer um novo referendo. Essas são escolhas que a Câmara deve enfrentar agora", afirmou a primeira-ministra depois de ser ouvido o resultado.

Corbyn: "Está na hora de ir a eleições"

Jeremy Corbyn, líder do partido da oposição, reagiu imediamente ao resultado da votação. O líder do Partido trabalhista referiu novas eleições a pedir o afastamento da primeira-ministra britânica do cargo.

"A primeiro-ministra afastou o relógio mas agora o relógio caiu sobre ela", disse Corbyn, concluindo que "está na hora de ir a eleições gerais.".

Jeremy Corbyn afirmou também, no discurso, que "o governo foi derrotado por maioria e deve aceitar que o acordo não tem o apoio da câmara". A oposição voltou a referir que a proposta do Partido Trabalhista "é a alternativa adequada."

Donald Tusk, porta-voz do presidente do Conselho Europeu também reagiu ao resultado

Numa declaração, emitida minutos depois do anúncio, Tusk lamentou o resultado.

“Lamentamos o resultado da votação desta noite e estamos dececionados com o facto do governo do Reino Unido não ter conseguido garantir a maioria para o acordo de retirada acordado por ambas as partes em novembro." escreveu Tusk.

Reuters
Donald tuskReuters

"Do lado da UE, fizemos tudo o que é possível para chegar a um acordo. Dadas as garantias adicionais fornecidas pela UE em dezembro, janeiro e ontem, é difícil ver o que mais podemos fazer. Se houver uma solução para o atual impasse só pode ser encontrado em Londres. A UE, por sua vez, continua a apoiar o acordo de retirada, incluindo o respaldo, que serve para impedir uma fronteira difícil na Irlanda e preservar a integridade do mercado único, a menos e até que arranjos alternativos possam ser encontrados.", escreveu.